Prestes a sediar o maior evento esportivo do mundo, a cidade maravilhosa enfrenta, com vontade, o desafio “Make Up Rio 2016”. Um projeto audacioso de embelezamento atinge vários pontos da cidade, grandes obras, enormes monumentos, restaurações e uma euforia empreiteira “nunca jamais vista na estória desse país”.

Tudo parece um grande balão de festa de criança, cheio de balas e doces, que vai enchendo, enchendo e quando estourar, os convidados irão se esbaldar de alegria e se matar por um pedaço dessas doçuras.

Uma breve pausa nesse alvoroço olímpico foi a virada mágica do Réveillon carioca, um evento teste para previr essa invasão turística nas Olimpíadas.

Publicidade
Publicidade

Aos milhões, cidadãos disputavam um espaço nas praias e lutavam para ver o aclamado show de fogos de Copacabana, com o tema jogos olímpicos. Fantástico. Inesquecível. Luxo e glamour. Sem dúvida um espetáculo de deixar a boca aberta e bolso vazio por dezenas de arrastões na praia. Mas isso deixe de lado, afinal a maquiagem serve para cobrir as feiuras do tempo.

Voltando para 2016, veja o que restou no Rio: ressaca, obras e apenas alguns defeitos de fábrica. Afinal, o que são esses infinitos moradores de rua atrás de um prato de comida? Turistas do além que vieram passar o fim de ano e resolveram ficar? Ou cidadãos que aguardam a estoura do balão das doçuras? Ou simplesmente seres que estão aqui com uma mensagem subliminar dizendo: - a gente aqui quer maquiagem também! Por aqui fica fácil entender o saudoso e genial Ariano Suassuna, que escreveu: “Deus se disfarça de mendigo, às vezes, para testar a bondade dos homens”.

Publicidade

Então por aqui Ele deve estar dando um tempo maior ou até mesmo montado um plantão 24hs.

A previsão para o fim do desse belo trabalho será no segundo semestre de 2016. Até lá, a cidade maravilhosa estará digna para receber o prêmio maior na academia do Oscar, o de efeitos visuais. Mas a efervescência desse lugar pode borrar o resultado e mostrar realmente que sombras, rouge e esmalte não enchem a barriga de ninguém. #Governo #Opinião #Crise no Brasil