O grupo de consultoria Tendências Consultoria Integrada divulgou um levantamento recente com base nos dados da Receita Econômica Federal e revelou que mais de 2,5 milhões de famílias brasileiras da classe A são responsáveis por 37% da renda nacional. De acordo com os dados obtidos do Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio), esse número cai para 16% da renda nacional.

O economista chegou a novos números com base em dados da Receita Federal. O ajuste foi pesquisado de duas formas. Primeiro pesquisou-se sobre as famílias que recebem em média até cinco salários mínimos, esses dados foram comparados com os dados oficiais do Pnda.

Publicidade
Publicidade

''Todos sabem da grande desigualdade entre as classes sociais no Brasil, só que ninguém imaginava que ela é muito maior do que muitos achavam'' conclui Adriano Pitoli, coordenador da pesquisa. ''Os dados da Pnda estão totalmente desatualizados e isso deixa claro a dificuldade que o órgão tem em avaliar o tamanho das desigualdades entre as classes sociais no Brasil. Em famílias com a renda entre cinco a dez salários mínimos a fonte de renda divulgada pela entidade é 14% menor diferente do que mostra os dados obtidos da Receita Federal essa diferença só aumenta quando o topo da pirâmide se aproxima'', continuou Pitoli.

 Naercio Menezes Filho, coordenador do Centro de Políticas Públicas do Insper disse “Existe a dificuldade da Pnad em atualizar os dados referentes a renda das classes brasileiras".

Publicidade

O estudo da consultoria também revelou outras duas conclusões relevantes: Existe uma grande diferença entre os ricos e pobres com relação as pesquisas tradicionais. De acordo com os dados da Pnda por volta de 2% das famílias brasileiras pertencem a classe A e 12% correspondem a classe B. Em dados obtidos pela Tendência Consultoria esses números aumentaram, onde  3% das famílias brasileiras são pertencentes a classe A e 15% são pertencentes a classe B.

O estudo aponta ainda que a renda das famílias da classe A é 40 vezes maior que a renda das famílias das classes D e E. De acordo com os dados da Pnda essa diferença cai para 23 vezes menor.

''O objetivo do estudo não é o de substituir as informações do Pnda e da Receita Federal, o objetivo é continuar monitorando as atividades da Pnda referente as classes de baixa renda e nas classes de alta renda organizar os ajustes para eliminar as contradições e viés da sonegação de renda'' conclui Pitoli. #Entretenimento #Dicas #Curiosidades