Ao menos é o que tem contido na declaração da banda à Receita onde grande parte do dinheiro do grupo de rock se encontra no país das Tulipas. Todos sabem que os roqueiros nasceram, cresceram e criaram um dos maiores fenômenos musicais exatamente na Irlanda. Mas, eles precisaram fazer a mudança dos recursos financeiros por causa de algumas burocracias e impostos exigidos pelo país irlandês.

O U2 transferiu o seu domicílio fiscal ainda em 2006 para Amsterdã, capital da Holanda. Naquele ano, os roqueiros tomaram a decisão da mudança porque o governo irlandês havia acabado com uma isenção de impostos aos artistas que ultrapassassem a marca de 250 mil euros anuais. Ainda em 2005, quando Bono e compania limitada estavam na famosa turnê Vertigo, o grupo chegou a faturar a incrível quantia de US$ 260 milhões.

Crise na terra natal

Quando o U2 saiu da Irlanda e investiu seu patrimônio financeiro na Holanda, a seu país de origem tinha entrado em uma grave crise econômica e financeira, que proporcionou a diminuição dos salários dos servidores em 30% e cortou alguns direitos trabalhistas.

Publicidade
Publicidade

Isso criou certa ‘revolta’ em alguns irlandeses e pessoas ativistas, porque o líder do U2 e vocalista, Bono Vox, também é ativista social, defensor dos direitos humanos e da igualdade e fraternidade.

Em 2012, quando o U2 participou do mais importante festival de música da Inglaterra, o Glastonbury, alguns ativistas burlaram os seguranças e protestaram com cartazes onde os mesmos diziam: “u pay tax 2?”, (em português: você também paga impostos?).

U2 responde às críticas

Com relação a isso tudo, Bono disse em entrevista à rede de televisão Sky News: “Nós não somos burros. Nós estávamos pagando uma grande fortuna para o governo irlandês, e as pessoas acham que porque somos ativistas e lutamos por causas humanitárias, é que eles podem vir e passar a perna na gente. Porque somos bons em filantropia, não quer dizer que devamos ser burros nos negócios”, desabafou.

Publicidade

“O U2 é uma banda mundial, não somente da Irlanda. Não temos motivos para permanecer com os nossos negócios aqui, esses recursos são fruto do nosso trabalho. Nós pagamos todos os impostos até então, mas, infelizmente, não dava mais, era como se nós tivéssemos que pagar para trabalhar. Foi uma escolha de negócios”, afirmou The Edge, guitarrista da banda. #Famosos #Música #Europa