O Brasil é uma novela e a Rede Globo sempre teve o seu nome às novelas de maior audiência no país sem questionamentos. Para manter a tradição, uma das protagonistas do novo escândalo envolvendo o ex-presidente, Fernando Henrique Cardoso, do #PSDB Paulista, era funcionária da Rede Globo e alegou que recebia um valor de US$3,000.00 (três mil dólares) por mês, para compensar a redução salarial devido a ajustes de contrato com a Globo, que resultou na redução. A Rede se defende através de sua reportagens dizendo que desconhecia e não aprova a forma como a história aconteceu, mas em nenhum momento contesta a história.

FHC pagou pelo silêncio enquanto presidente do Brasil.

O escândalo não envolve só o valor do pagamento, mas também inclui como protagonistas, segundo reportagem da Folha de São Paulo, a atual esposa, Dona Ruth, com seus três filhos que brigavam contra o suposto filho Tómaz, agora com 18 anos e que recebeu um apartamento de 200 mil euros na Europa, além de garantia de estudo em faculdade americana.

Publicidade
Publicidade

A mãe do Tómaz, Miriam Dutra Schmidt, 55, questiona os exames de DNA que negam a paternidade e afirma que o filho teria sido registrado em cartório na Espanha, um dos lugares que ela morava, além de Portugal. A depoente à Folha também confirmou que os valores foram pagos no período em que Fernando Henrique Cardoso (FHC) exercia o cargo de Presidente (1994-2002), indicando que a empresa Brasif SA, responsável pela lojas de Duty Free nos aeroportos brasileiros, era o meio de transporte do valor.

FHC é A FAVOR de abortos (das amantes).

A novela ainda envolve a tradicional família baiana dos Magalhães, via o ex-senador e ex-governador Antonio Carlos Magalhães e o seu filho Luis Eduardo Magalhães, que além de terem conhecimento da história antes da posse do FHC, intercederam junto à depoente e à Rede Globo para não transferi-la de volta ao Brasil, onde o resultado seria desastroso.

Publicidade

A Míriam Dutra alega ter medo de morrer (não cita se seria por assassinato), mas afirma que foram mais de seis anos de relacionamento e que fizera o aborto outras duas vezes. Afirma também que o pedido de aborto do Tomáz teria sido solicitado também.

Famílias tradicionais baianas sabiam do escândalo.

A principal conseqüência dessa história é que mostra as ligações de poder entre os Magalhães e FHC, além de mais um possível caso de evasão de divisas, via uma empresa que é monopolista nos aeroportos brasileiros. Essa novela deve bater todos os recordes de audiência da Rede Globo, que também está envolvida, a menos que seja abafada. De qualquer maneira, volto à discussão sobre o público e o privado. Até onde a vida particular de um presidente deve ser tornada pública e como isso afeta os rumos do país. #Governo #Crise no Brasil