A poucos dias da votação para o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, o Partido dos Trabalhadores - partido da presidente Dilma Rousseff e do ex-presidente Lula - tem enfrentado o agravamento da sua situação política e judiciária, tornando quase impossível uma reação que recupere a sua força no governo. A seguir, alguns dos principais acontecimentos da semana.

Perda de influência

A recomendação do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, para que a posse de Lula para o Ministério da Casa Civil fosse anulada pode significar a perda da influência do ex-presidente no governo. Janot, que até então era considerado um governista e defendia a posse, decidiu na última quinta-feira (7) que tal nomeação para a chefia da Casa Civil seria errada, uma vez que existem sérias acusações que apontam que a posse de Lula poderia ser uma movimentação do Planalto para obstruir as investigações da Operação Lava-Jato.

Publicidade
Publicidade

Vale lembrar que o Supremo Tribunal Federal recentemente decidiu que só julgará a legalidade da nomeação de Lula depois da votação para o processo de impeachment de Dilma Rousseff. Para o Planalto, a presença de Lula no governo poderia ajudar na defesa de Dilma para barrar o impedimento da presidente. Com esta decisão, no entanto, a base governista teme que o impeachment seja favorecido e que a influência de Lula no governo esteja enfraquecida.

Andrade Gutierrez

Segundo a delação do ex-presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Marques Azevedo, a construtora teria desviado 150 milhões de reais em propina para o Partido dos Trabalhadores, financiando, segundo o delator, a campanha eleitoral de Dilma Rousseff nos anos de 2010 e 2014, além das campanhas de aliados em 2012. A delação foi homologada pelo Ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, na última quinta-feira, o que significa que as informações do ex-presidente da construtora possuem, agora, validade jurídica e podem ser investigadas pela Justiça.

Publicidade

Lula, no entanto, considera a delação da construtora mais uma manobra para “expiar” toda a corrupção política no #PT. Segundo ele, durante um evento com militantes, a Andrade Gutierrez “é ligada aos tucanos e não aparece um tucano em qualquer momento da delação. O ministro-chefe da Secretaria da Comunicação, Edinho Silva, afirmou em uma nota que entrará com um pedido de esclarecimento na Justiça contra o delator Otávio Marques Azevedo.

‘República de Curitiba’

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) foi recebida sob vaias e gritos de “ladra” ao desembarcar no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em Curitiba, na quinta-feira. A senadora está sendo investigada pela Operação Lava-Jato sob a acusação de receber propina para o financiamento da sua campanha eleitoral. Assim como ela, o seu marido, Paulo Bernardo, filiado ao PT, também está sendo investigado pela Lava-Jato sob a acusação de participação em esquemas de corrupção durante o governo Lula, quando era Ministro do Planejamento.

Outra personalidade paranaense com um suposto envolvimento no esquema de propina é o presidente do Grupo JMalucelli, Joel Malucelli.

Publicidade

O empresário foi citado na delação do ex-presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Marques Azevedo, como sendo, segundo o delator, um dos pagadores da propina de 150 milhões de reais ao PT e que financiou campanhas eleitorais do partido, como a da presidente Dilma Rousseff. #Opinião #Lava Jato