Conhecido em todo o mundo por seu ativismo e por reagir de forma não violenta ao raivoso comportamento racista vigente no Sul dos Estados Unidos, Martin Luther King Jr. sabia que poderia ser vítima de um atentado. As preocupações do advogado e pastor se intensificaram em 1963, quando o então presidente norte-americano John F. Kennedy foi morto por um tiro em Dallas, Texas.

“Isso é o que vai acontecer comigo também. Eu sempre te digo, essa é uma sociedade doente”, disse King para sua esposa Coretta enquanto acompanhavam as notícias da morte do então presidente.

Apesar das constantes ameaças que recebia de racistas e do receio de sofrer um atentado, King considerava que sua atuação como ativista pelos direitos civis era mais importante do que os riscos que corria, e que não valeria a pena deixar de lado seus ideais para garantir sua segurança.

Publicidade
Publicidade

Em 3 de abril de 1968, dia anterior ao seu assassinato, King proferiu seu último discurso no Mason Temple, em Memphis, Tennessee. Chamado de “I´ve Been To The Mountaintop” (Eu Estive no Topo da Montanha), o discurso falava sobre as ameaças sofridas por King e sobre seus sentimentos espirituais sobre a morte.

“Bem, eu não sei o que vai acontecer agora. Temos dias difíceis pela frente. Mas não importa para mim agora, porque eu estive no topo da montanha. E eu não me importo. Como todo mundo, eu gostaria de viver uma vida longa. Longevidade tem seu valor. Mas eu não estou preocupado com isso agora. Eu só quero fazer a vontade de Deus. E ele me permitiu ir até o topo da montanha, e eu olhei de cima e vi a terra prometida. Eu posso não chegar até lá com vocês, mas eu quero que vocês saibam nesta noite que nós, como pessoas, chegaremos até a terra prometida.

Publicidade

E eu estou tão feliz hoje. Eu não estou preocupado com nada. Eu não temo nenhum homem. Meus olhos viram a glória da chegada do Senhor!”.

Uma das últimas pessoas a falar com King em vida foi o músico Ben Branch, que se apresentaria num evento onde King iria estar naquela noite. Segundo uma biografia do pastor e ativista, King fez um pedido para Branch. “Ben, garanta que você vai tocar ‘Take My Hand, Precious Lord’ esta noite. Toque de forma linda”, disse King no que acreditam-se ser suas últimas palavras.   #História #Religião #EUA