“Feliz do país que tem um #Chico Buarque”, disse Jô Soares no seu talkshow para defender o cantor e compositor das ofensas que sofreu ao sair de um restaurante no Rio. Certamente a frase fazia alusão a uma suposta atitude heroica de Chico durante a ditadura militar, ao seu exílio voluntário na Itália e às músicas que fez em nome de personagens fictícios para enganar a censura, como se dizia na época. Sendo verdade ou não, pouco importa. Em outras palavras, Jô insinuou que o Brasil é feliz por ter um “herói” como Chico Buarque.

Jô – mais que um humorista, criador de personagens impagáveis da TV – é um intelectual respeitado.

Publicidade
Publicidade

Seu conhecimento sobre dramaturgia deve ser infinitamente maior do que o da maioria das pessoas. Por isso mesmo, a frase que abre esse texto poderia tê-lo feito lembrar de uma passagem da peça Galileu Galilei, de Berthold Brecht (um autor de esquerda). Teria o emocionado Jô, ao defender os artistas, se lembrado do dramaturgo alemão? Provavelmente não. Caso lembrasse saberia, como inteligente que é, que um país feliz não precisa de heróis, como bem observou o personagem Andrea quando Galileu lamentou a falta de heróis no país.

Pode-se argumentar que o apresentador das madrugadas da TV Globo referia-se ao período da ditadura e que o país não era feliz naquela época em que o alegado heroísmo de Chico se fez presente. Mas, mesmo assim, porque hoje o artista deve continuar sendo considerado um herói, se a situação por ele defendida não tem feito o país feliz? Por que seria o país feliz se o povo sofre com o desequilíbrio econômico, a falta de hospitais, a falta de segurança?  Ou Jô acredita que o país está feliz? Um país, para  ser feliz, precisa de saúde, educação, alimentação, segurança.

Publicidade

Precisa de bem-estar. No que chamou de desbafo, Jô defendeu também o ator José de Abreu, mas não foi ao ponto de citar as cusparadas que este deferiu contra os que ofendiam.

Lei Rouanet

Jô defendeu também a Lei Rouanet, de incentivo a cultura. Disse que as pessoas fazem confusão porque não são os artistas que recebem os benefícios da lei, mas os produtores dos espetáculos. Não é mentira, mas artistas também podem produzir os seus shows, espetáculos etc, em seu nome ou no de uma empresa que faz a produção.

E assim segue a guerra de informação e contrainformação em que está mergulhado o país. Enquanto isso, as pessoas comuns enfrentam o seu dia a dia difícil, a inflação, os hospitais e estradas fechadas. Merecendo isso ou não. #Impeachment #Rede Globo