O vexame da atuação dos deputados pró-impeachment, no domingo passado, foi televisionado para o mundo todo, não há como negá-lo. A mídia internacional nos acompanha com muito mais honestidade do que a nossa, que faz parte do massacre a Dilma. E trata o que se passa aqui como "golpe". Se um extraterrestre tivesse assistido à votação, sem saber do nosso contexto atual, ele diria que havia algo de muito errado ali, pois foi dado um veredito sem se considerar a existência do crime. Será que Dilma precisa contar pro mundo que é golpe? O mundo já não sabe?

A imprensa tem feito de tudo para passar a impressão de que é um "absurdo" falar em golpe.

Publicidade
Publicidade

Quando falam da "narrativa" inventada pelo governo para escapar do #Impeachment, na verdade estão defendendo sua própria e odiosa narrativa, que é a de nunca permitir que a população acredite que o governo age com sinceridade. O Bolsa-família nunca foi para ajudar as famílias, nem para movimentar a economia. Sempre foi para comprar votos. E assim é lido tudo o que o PT faz. Os programas sociais nada têm a ver com a promoção da inclusão e a diminuição da desigualdade. Todos sempre tiveram, como única finalidade, comprar o eleitor. As políticas educacionais que possibilitaram a entrada de milhões de jovens em universidades, nunca são comentadas como positivas, só as comentam quando o site para a inscrição sai do ar, ou se algo falha. E ainda tem jornalista que diz que estudante que entra em universidade através de programas educacionais entra "pela porta dos fundos".

Publicidade

O Minha Casa Minha Vida entrega 5 mil casas em uma semana, e a imprensa só mostra as casas quando elas são invadidas por bandidos. O discurso da mídia quer fazer crer que o governo só age para se dar bem. E, se um governo age em prol do povo, não é porque quer melhorar a vida desse povo. É porque quer "se perpetuar no poder". Oras... então, para não levar a fama de querer se perpetuar no poder, o governo deveria maltratar o povo? Qual a lógica disso???

A bola da vez é a ida de Dilma à ONU. Por conta de míseros 5 minutos que ela terá para falar, e da possibilidade de ser questionada sobre o que vem acontecendo aqui, os golpistas entraram em parafuso. Há dias que a Globo trata a ideia de golpe como absurda porque, "se Dilma viajará, que golpe é esse"? "Se está livre para ir e vir, isso é golpe?" Como se só configurasse "golpe" algo que tirasse Dilma do ar, a prendesse ou matasse. Eles nos subestimam demais. O que a Globo News fez de mais ridículo nos últimos dias foi entrevistar personagens escolhidos a dedo para que intimidassem Dilma, como se ela pudesse sofrer qualquer represália por não ter sido uma boa menina e ter contado aos outros algo que deveria ficar entre as paredes do Brasil.

Publicidade

Disseram que "fica feio" uma presidente "falar mal" do seu país no exterior. Como assim? Ela não vai falar mal do Brasil, Dilma ama o Brasil. Ela vai relatar o que anda acontecendo por aqui, só isso. Todo mundo não sabe que não devemos fazer o que pode nos envergonhar se vier a público?

Essa estratégia é a mesma dos abusadores sexuais. Abusam e intimidam para que a verdade não venha à tona. Toda mulher esperta sabe que é preciso denunciar o abuso sexual, ou ele se perpetua. A filósofa Marcia Tiburi, dias atrás, disse que Dilma sofreu um "estupro" político. É mais do que isso: ela sofre um estupro político, ela é a estuprada a quem imputam a culpa do estupro e ela é intimidada para não denunciar o estupro. O azar deles é que ela é uma mulher esperta.  

Assista ao vídeo

  #Dilma Rousseff #Crise-de-governo