Sempre engajados e atentos às tendências pedagógicas, os 'especialistas em #EducaçãoAlexandre Frota, Marcelo Reis (líder do grupo Revoltados On Line) e Beatriz Kicis (procuradora) foram recebidos pelo novo ministro da Educação, Mendonça Filho, para debater propostas que visam ao melhoramento do ensino - é claro que essa foi uma introdução irônica.

Apoiadores do doutrinador movimento "Escola sem partido", que procura limitar a atuação do professor em sala de aula e cercear o processo de construção do pensamento crítico para o qual educadores são formados, Frota, Reis e Kicis não tinham horário marcado com o ministro da Educação, mas foram recebidos em agenda extraoficial.

Publicidade
Publicidade

Além de conversarem sobre o fim da "doutrinação de esquerda" e da "ideologia de gênero" nas escolas, Frota apresentou uma pauta própria, referente à Lei Rouanet (a qual provavelmente não aprovou seus pedidos de captação de recursos para a produção de filmes), além de declarar seu apoio à "CPI da Cultura".

O 'pensador' e ex-ator pornô aproveitou o momento para publicar selfies com o ministro em sua página do Facebook, com a descrição: "Não estou parado hoje agora no Mec Ministério da Educação onde o Ministro nos recebeu para uma pauta colocada por nós. Brasília fervendo, com o Ministro Mendonca Filho".

Como doutoranda em Letras, a ironia deste texto é que me faltam palavras para discorrer sobre a notícia sem usar de sarcasmo, sendo o próprio acontecimento uma verdadeira piada pronta. Três pessoas que não têm, em seu histórico, absolutamente nenhum envolvimento com a cultura (a não ser a cultura pornô) nem com a educação, de repente acreditam estar aptas a colocar propostas que dizem respeito a ambas as áreas e esperar que sejam ouvidas pelo Ministério da Educação.

Publicidade

Enquanto isso, professores, pesquisadores, pedagogos, artistas, produtores, entre outros tantos realmente capacitados para debater sobre a atual situação da educação e da cultura permanecem incertos sobre o futuro do MEC e de nossas instituições de ensino.

Soma-se à ocasião o fato de ontem, terça-feira (24), o governo interino ter anunciado redução de gastos com educação e saúde. #Crise-de-governo