Nesta segunda-feira (30), o Presidente interino Michel Temer recebeu no Palácio do Planalto o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, a princípio não havia divulgação sobre o teor da reunião.

Logo, começaram os questionamentos a respeito do propósito da visita. A suspeita seria uma espécie de acordo entre ambos para fortalecer a #Lava Jato, uma vez que a Operação anda amedrontando muitos envolvidos que fazem parte do cenário político, e consequentemente, tentam acometê-la.

Entenda os últimos acontecimentos

Nessa semana foram divulgados vários áudios gravados pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. Entre os envolvidos nas gravações estão alguns integrantes da cúpula do PMDB, ou seja, o presidente do Senado Federal Renan Calheiros, o ex-presidente da república José Sarney e o ex-ministro do Planejamento, Romero Jucá que foi afastado após as revelações.

Publicidade
Publicidade

O conteúdo do áudio foi surpresa para todos, inclusive para o Presidente Michel, o qual também responde pela presidência do PMDB. Diante das evidências, foi acordado em reunião com o PGR para sanar as questões paralelas presentes na atual conjuntura.

Presentes na reunião, Temer e Janot trataram de assuntos cotidianos conforme divulgação da assessoria de imprensa do presidente, mas especula-se que o real motivo da visita seja a proteção da Lava Jato.

Nessa altura, Temer precisa ser imparcial para com os integrantes acusados de #Corrupção vinculados ao seu partido e a aproximação com o PGR sinaliza grande prudência, afinal, nada melhor do que o Chefe de Governo compartilhar os assuntos relacionados à segurança da Operação, com o representante do Ministério Público do Brasil.

Janot é um dos responsáveis pela condução das investigações de parlamentares acusados de participar do esquema da Petrobras, portanto, a ação de Temer não causa estranheza, pois acredita-se que o PGR pode influenciar no posicionamento público do Presidente da República, na situação atual.

Publicidade

No entanto, Temer tenta administrar e demonstrar a população que nada será diferente, inclusive, já deliberou junto ao Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que a Lava Jato é intocável, prometendo não modificar nada. Com isso, o diretor da Polícia Federal, Leandro Daiello, continua com liberdade para exercer as investigações normalmente.

Segundo Temer seus esforços são fruto da construção de um bom relacionamento entre os poderes da república, haja vista, o primeiro teste realizado com os parlamentares da Câmara dos Deputados, o que resultou na aprovação da meta fiscal.

Astuto, Temer não se deixa abater e promete erguer o país pelo tempo que permanecer no comando. Ultimamente tem cancelado compromissos importantes, dentre eles tinha o hábito de viajar para São Paulo aos fins de semana, pois, sua esposa Marcela e seu filho caçula Michelzinho, residem na capital paulista.

No sábado (28) também foi um dia de trabalho, Temer recepcionou em sua residência oficial no palácio do Jaburu o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), que acumula a função de presidente do Superior Tribunal Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, que segundo assessores veio com a missão de alertar Temer sobre a falta de recursos financeiros para o acerto de contas, tal sinalização pode comprometer a realização das novas eleições nos estados e municípios, ainda este ano.

Publicidade

  #Michel Temer