O presidente interino, #Michel Temer, foi muito criticado por não ter equilibrado, em seus ministérios, representantes de todos os gêneros, raças, religiões, sexos e etnias que compõem a população brasileira. Quanta hipocrisia! Ele vai governar o país, precisa de aliados notoriamente sérios e competentes. Tem desafios enormes pela frente e não está lá nem para estimular o "Clube do Bolinha" nem para agradar sociologicamente, promovendo, a qualquer custo, a confraternização entre estes vários grupos.

Quem garante que uma mulher seria, obrigatoriamente, mais competente do que o ministro escolhido? E vice-versa?

Quem garante que um negro seria mais eficiente do que o ministro escolhido? E vice-versa?

Quem garante que um evangélico desempenharia melhor o seu papel do que o ministro escolhido? E vice-versa?

Quem garante que um homossexual traria mais resultados práticos do que o ministro escolhido? E vice-versa?

Indiscutivelmente, estes e outros segmentos são merecedores de destaque, mas não necessariamente precisam ter lugar físico na Esplanada.

Publicidade
Publicidade

É a meritocracia passada que respalda a escolha presente e que vai, ou não, comprovar o acerto futuro. A responsabilidade é grande: não há espaço para nomes aleatórios sem currículos apenas por pertencerem a grupos pré-definidos ou atenderem aos anseios de interesses específicos.

E aí entra uma outra delicada questão: se Temer tivesse contemplado todos estes grupos, independente da experiência profissional ou política, será que ele não receberia contestações ainda mais veementes? Será que ele conseguiria apoio no Congresso Nacional para aprovar as prementes ações que pretende implementar?

Nunca votei em Temer, discordo da nomeação de alguns ministros, condeno determinadas posições e atitudes, mas, já que ele assumiu, é preciso dar um crédito de confiança e entender que a mudança deve ser geral e não apenas dentro do Palácio do Planalto.

Publicidade

Cada brasileiro deve ter absoluta consciência de que tem que fazer a sua parte e não somente demonstrar inquietude ou ser um opositor de plantão contra tudo o que for apresentado. Não basta apenas vestir verde e amarelo e delegar a responsabilidade exclusivamente aos outros. Vamos fazer acontecer!!! #Governo #Dentro da política