A música é a combinação e silêncios pela definição de uns. Para outros, a combinação de melodia, harmonia e ritmo. Percebeu que a palavra combinação está presente nas duas definições? Não é por acaso. A verdade é que a música combina melodia, harmonia, ritmo, silêncio, tempo, tudo numa única obra. E a sensibilidade vai juntar o ingrediente da emoção, como uma mistura dentro de uma espécie de caldeirão, que seria o ser humano. O resultado pode ser incrível.

A música é um elemento poderoso para a alma humana. Por estímulos auditivos, os elementos da música são ferramentas poderosas para interferir no organismo humano, de forma psicológica ou física.

Publicidade
Publicidade

O movimento está associado ao ritmo, que é um dos elementos importantes da música. Basta tocar algum ritmo interessante ao ouvido, que o indivíduo interage de alguma forma, seja numa simples batida de palmas, estalado de dedos, passos, balançar de cabeça ou qualquer que seja o movimento corporal. Não importa o idioma, basta que a música agrade para que o indivíduo se perceba e interaja. 

Ao interagir com os estímulos externos, um atleta utiliza a música para impulsionar e canalizar a sua força para dispersar dor, cansaço, monotonia e estresse. Música e atividade física estão interligadas, significando mais prazer, o que implica uma melhora no rendimento físico e psicológico. Segundo o psicólogo Vinícius Ferreira, professor de neuropsicologia da Faculdade Imed e membro da Sociedade Brasileira de Neuropsicologia (SBNp) e da Sociedade Brasileira de Neurociência e Comportamento (SBNeC), os sons são eficientes para produzir ondas cerebrais, podendo serem positivos para o aumento do rendimento. 

O nadador americano Michael Phelps, ganhador de 18 medalhas de ouro, de um total de 22, em várias edições das Olimpíadas, é um exemplo de usuário do recurso musical como estímulo.

Publicidade

Outro exemplo, é o velocista jamaicano Usain Bolt, que se prepara para entrar nas pistas com os fones de ouvidos. Para criar o ambiente propício, muitos atletas são observados com os seus fones de ouvidos e repertórios antes das provas. Durante a realização das principais provas de maratona, o uso de equipamentos de música não são proibidos, por acreditar-se que o estímulo aumente a resistência física e psicológica dos corredores diante da fadiga.

Milhares de sonhos, desafios e o desejo de chegar ao pódio fazem com que se utilize ainda mais o recurso da música.  Associado aos poderes penetrantes da música, o atleta ainda mais motivado e mobilizado sai em busca da medalha. Na Rio 2016, o som vai estar presente aos ambientes dos jogos, presentes nas almas, nos corações e até nos resultados. #Curiosidades #Rio2016 #Ser Educacional