O governo formado a partir do processo de #Impeachment da presidente #Dilma Rousseff, tendo empossado #Michel Temer como presidente, dá continuidade e legitimidade à reação popular que foi as ruas em passeatas de protesto com milhões de participantes  pacíficos,  contrastando  com  posteriores tentativas de  manifestantes contrários, muitos deles pagos, para aparecerem com um maior número de pessoas favoráveis ao seu ideário político.

Essa reação popular espontânea só foi possível pela existência da internet e da classe média, esta, arquivo humano com experiência de vida e acesso à cultura humanística, sabedores que são dos riscos de permitir o canto da sereia de dirigentes pregando a adoção de regimes políticos ditos sociais que só produziram, por onde passaram, desgraças, pobreza econômica e falta de liberdade individual, fator indispensável para o florescer do pensamento criador.

Publicidade
Publicidade

Só a democracia plena, com instituições sólidas, organização social e política, gerando prosperidade individual, permite o despertar e engrandecimento espiritual de um povo. Nota-se, que no mundo moderno, alguns países só conseguiram crescer economicamente, pela apropriação dos conhecimentos através de espionagem industrial ou copiando o que outros fizeram. Em outras épocas da história, as guerras e pilhagens dos bens alheios, eram a principal atividade dos governantes.

Cultura

Artistas e intelectuais são vistos com desconfiança por regimes políticos tirânicos, como o nazismo, fascismo e comunismo. Muitos artistas que se filiam a essas ideologias, como agora observamos em nosso país, o fazem mais por uma questão de sobrevivência do que por crença consciente. Quem é realmente um artista, tem, por natureza, um espírito que cultua o sonho, a imaginação, a criatividade e que vive a compulsão do fazer criativo.

Publicidade

Com raríssimas exceções, o fazer de sua arte plenamente, com liberdade total, é a sua realização. A tentativa de apropriação da cultura como fator político, como vimos na exigência que obrigou o Governo Federal a voltar atrás na decisão de transformar o Ministério da Cultura em Secretaria, foi  um erro, ao criar-se uma aparente reserva de mercado para um restrito grupo político adversário. E cultura vigiada ou dirigida politicamente é um obstáculo ao nosso desenvolvimento intelectual como Nação.

Rumos

Em razão do caos político e econômico pelo qual o Brasil passa, é necessário adicionar novos rumos para a sobrevivência  econômica e social do país, com decisões que o governo já está tomando, considerando que precisamos ter consciência de nosso atraso, frente aos países desenvolvidos, que estão em muitos campos de atividade, séculos à nossa frente. Nunca os alcançaremos, a não ser que possamos progredir com o nosso fazer e recursos de ordem intelectual, principalmente. Vamos investir no que traz riquezas e somos bons – Cultura, Turismo, Pesquisas Científicas, incluindo  Medicina.

Publicidade

E exercer a magia de nossa criatividade. Temos esses recursos e não devemos mais ecoar as palavras do nosso hino nacional “deitados eternamente em berço esplêndido”, nem viver apenas à sombra dos dizeres proféticos do navegador Pero Vaz de Caminha “Em se plantando tudo dá”. Isso é verdade e nos sustenta hoje. Mas é muito pouco. Merecemos mais.