Uma semana sem uma pérola da esquerda é pedir demais! E essa semana temos uma pérola de uma petista que saiu do fundo de um baú, graças ao Supremo.

Entendendo o caso

Em 2003, Maria do Rosário (#PT-RS) e o deputado Jair Bolsonaro (na época do PP, hoje do PSC-RJ) discutiam no Salão Verde a redução da maioridade penal para um programa da RedeTV. Maria, como já era de se esperar, foi contra a redução e Jair a favor.

Maria então o acusou de ser estuprador, de ser o responsável por crimes como do caso Champinha, que havia ocorrido naquele mesmo ano. Maria defendeu que os menores que estupram e matam devem ser punidos de acordo com o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente),que na prática não pune ninguém.

Publicidade
Publicidade

Após tal acusação, Bolsonaro perguntou se ela o acusava de estuprador e ela confirmou e ele disse que não a estuprava porque ela não merecia. Maria gritou! Maria se aproximou de Jair como se fosse agredi-lo e disse que é bom que ele não a estupre, pois senão ela lhe daria uma bofetada. Então Jair a empurrou, pois ela foi pra cima dele. A histeria da deputada continuou por mais alguns instantes.

Os anos se passaram, novos embates surgiram e Maria do Rosário levou o terço para ser rezado no STF, que depois de anos o aceitou, estranhamente no momento em que o deputado cresce 'assustadoramente' em popularidade e os líderes petistas, Dilma e Lula estão prestes a afundarem de maneira irreversível.

Vale salientar que Jair Bolsonaro tem, desde 2013, um projeto que torna mais rígida as penas para estupradores e ainda prevê a castração química voluntária como requisito para o preso que queira progredir a pena e graças ao defensores de bandidos e aliados do antigo governo, o projeto de lei nunca entra em votação.

Publicidade

Maria e toda a esquerda são contra esse projeto!

Todo mundo entendeu o que Bolsonaro quis dizer e percebeu que a situação não tem a ver com incitação ou apologia ao estupro, mas... ah, assista ao vídeo abaixo e entenda por si só!

Só pra lembrar

Para quem não se recorda quem é o menor infrator que 'não sabia o que estava fazendo' e que estava no centro da discussão que gerou essa confusão, se trata do mesmo cidadão que, conscientemente, assassinou o jovem Felipe Caffé, de dezenove anos e ficou por três dias estuprando e torturando a namorada do rapaz, Liana Friedenbach, de dezesseis anos, a executando em seguida com golpes de faca. Champinha, a 'vítima' da sociedade de Rosário e cia, tinha só dezesseis anos e sozinho destruiu duas vidas e acabou com duas famílias que há treze anos foram marcadas para sempre com a perda do casal.

  #Justiça #Câmara dos Deputados