No meio do caos político em que o Brasil se encontra, movimentos de todos os tipos são descobertos. Há quem queira os militares de volta e até quem acredite que o retorno da família real é a solução para a situação. “Na realidade, o sistema que foi implantado no país é totalmente distorcido, ele é destrutível”, disse Carmelo Mucio, chanceler do Círculo Monárquico Brasileiro, uma das muitas organizações monarquistas do país.

O movimento prega que o Brasil deveria restaurar o sistema de monarquia parlamentar, extinto desde a Proclamação da República - que membros do movimento chamam de golpe republicano.

Por enquanto, o movimento monarquista brasileiro não é unificado, cada grupo é uma associação diferente, o que deixa difícil estimar quantos brasileiros realmente o apoiam.

Publicidade
Publicidade

Recentemente, membros do movimento têm ganhado maior atenção do público ao participar de protestos contra o governo Dilma.

O Círculo Monárquico Brasileiro, segundo Carmelo Mucio, é uma entidade que tem como objetivo informar o público sobre a monarquia. No momento, os membros do círculo não têm o objetivo de instaurar um governo monarquista no país e julgam que o primeiro passo é distribuir informação.

“Não existe sistema infalível, o que acontece é que a monarquia é propensa a menos corrupção”, disse Carmelo Múcio, comparando as vantagens entre os sistemas de governo. O argumento do chanceler é que num sistema monárquico, a função que o atual presidente ocupa seria dividida entre o imperador e o primeiro ministro.

Atualmente, a página do Círculo Monárquico Brasileiro no Facebook possui 11.520 curtidas.

Publicidade

As opiniões de fora do movimento não concordam completamente com a superioridade da monarquia sobre a república. Em resposta a uma enquete publicada nas redes sociais, que contou com 160 respostas, alunos do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas declararam-se completamente contra o movimento monárquico. “É só um jeito espertão de passar o parlamentarismo”, comentou Fernando Lima de Moraes, aluno da UNICAMP.

Mas para Carmelo Mucio, a rejeição à monarquia já é esperada. “Um plebiscito rápido é derrota (...) é possível que as pessoas sejam enganadas, ludibriadas e não escolham a monarquia como o melhor sistema político.” O que o movimento espera é que a longo prazo o povo brasileiro escolha a monarquia através da conscientização que está ocorrendo de maneira eficiente através da participação de membros do movimento nos protestos mais recentes. #Crise no Brasil #Dentro da política