Todos assistimos indignados ao assassinato de uma deputada inglesa favorável à permanência do Reino Unido na União Europeia. Escusado será dizer que matar é um ato total e absolutamente condenável, sendo que nada justifica tal barbárie.

Mas não podemos deixar de notar a coincidência do contexto em que tal homicídio ocorre, num momento em que o eleitorado britânico se inclinava para votar favoravelmente a saída do país da #União Europeia, e quando os defensores da permanência estavam a esgotar os seus argumentos.

Pelo contrário, parecia que toda a pressão mediática, comparável ao conceito de Goebbels de “lavagem cerebral”, estava a ter o resultado oposto ao pretendido, com a vantagem dos defensores da saída a consolidar-se.

Publicidade
Publicidade

Seria preciso sacudir a opinião pública com algo de radical, comovente, chocante e mobilizador, pois é sabida a sensibilidade das pessoas em relação à morte de alguém. Nunca saberemos as motivações por trás desta morte bárbara, muito menos saberemos se o executante agiu por conta própria ou instigado.

Mas sabemos que a onda de choque e comoção provocada por este crime, poderá vir a mudar o resultado do referendo e o curso da História, evitando que a União Europeia caia numa crise ainda mais profunda, do que a que já sofre.

Uma hipotética saída da Grã-Bretanha da União Europeia traria conseqüências imprevisíveis em diversos campos, nomeadamente o político e o económico, já para não falar na possibilidade que o “Brexit” poderia ser o início do tão temido desmembramento da União Europeia. A opacidade dessa mesma União Europeia só a tem distanciado dos cidadãos e alimentado todo o tipo de antipatias, da parte dos mesmos.

Publicidade

Não insinuarei aqui nenhuma teoria da conspiração, mas existem assassinatos que parecem acontecer no momento e no contexto certos, para que sejam mera coincidência. 

A inversão do resultado, nas últimas sondagens, mostra que diversos interesses ficarão salvaguardados com a manutenção da Grã-Bretanha na União Europeia. Na prática, tudo mudará para que tudo fique na mesma, lá para os lados de Bruxelas e de Berlim.