Os últimos episódios que aconteceram entre a Rede TV e o apresentador Luciano Faccioli foram classificados como lamentáveis. A emissora, após contratar o profissional, recentemente, sem explicações prévias, reduziu o horário do programa 'Olha a Hora', na última quarta-feira (1º), por causa da #Igreja Universal. Mesmo em tempos de tanta dificuldade, onde o dinheiro pode falar mais alto e serve para justificar certos negócios, não se pode negar que a situação foi um tanto constrangedora.

E como se não bastasse tanto descaso com a equipe e com o apresentador, que já estavam prontos para o trabalho, eles só tomaram conhecimento do fato poucos minutos antes do programa começar, causando um tremendo mal-estar em todos os presentes.

Publicidade
Publicidade

O programa "Olha a Hora" deveria ir ao ar às 17h, mas só começou às 18h, porque a emissora vendeu uma hora para a Igreja de Edyr Macedo. Nunca se soube que uma direção de uma emissora de TV tenha constrangido tanto um profissional.

Após ter visto o horário de seu programa reduzido em uma hora, o apresentador, sentindo-se desrespeitado pela emissora que tinha acabado de contratá-lo, abriu o programa fazendo comentários irônicos dizendo, na hora do break, que a ordem era faturar. Irritada, a direção entendeu que Faccioli tinha ido longe demais e achou conveniente castigá-lo com uma suspensão, por entender que ele foi exagerado em suas críticas contra a casa.

A impressão que se tem, depois desse acontecimento tão triste, é que o dinheiro vem sempre em primeiro lugar e, o profissional e o telespectador, bem depois.

Publicidade

Outro aspecto que se apresenta nessa situação inusitada é a falta de bom senso de algumas emissoras de #Televisão como Band, CNT, Rede TV e outras, cada vez mais transformadas em templos para a doutrinação e pregação da palavra de Deus. Também não se explica tamanha invasão de igrejas em espaços de rádio e televisão, em época de crise para todos os brasileiros, o que não parece atingir alguns templos. Nesse setor, o dinheiro parece ser sempre abundante. #Opinião