Para tratar de assuntos relacionados ao universo LGBT, a Folha de S. Paulo estreou, na última quinta-feira (30), o blog “Gays & Afins”, sob os cuidados dos jornalistas Chico Felitti, Guilherme Genestreti, Pedro Diniz e Silas Martí. A página, que se autodescreve como “um canal de diálogo” e “um canal de notícias”, iniciou suas atividades publicando uma entrevista exclusiva com o pastor e deputado Marcos Feliciano (PSC – SP).

Além de entrevistas com ativistas, artistas e políticos, o espaço promete trazer reportagens sobre mercado, comportamento, noite, preconceito e “qualquer assunto que valha notícia”. “Aqui, só a intolerância é proibida”, afirma o texto de abertura.

Publicidade
Publicidade

As contribuições ao site poderão serem feitas pelo e-mail  gayseafins@gmail.com.

POLÊMICA INAUGURAL

Marcos Feliciano, pastor e deputado federal, considerado um dos inimigos da comunidade #LGBT, foi o escolhido para a primeira entrevista publicada no blog. Entre as várias declarações polêmicas já proferidas por Feliciano, a mais atual atacou exatamente o público alvo do site. “Triste a tentativa de grupos LGBT de usar esta tragédia para se promover”, tuitou o pastor à época do atentado à boate “Pulse”, em Orlando, Flórida.

O tuíte de Feliciano é, inclusive, um dos temas abordados na entrevista. Ele se defende afirmando que não há como garantir que a motivação para o atentado tenha sido apenas homofobia. Cinco perguntas – de 10 que foram enviadas ao político – não foram respondidas. O pastor preferiu não opinar sobre propostas voltadas à comunidade LGBT, já que ele é pré-candidato à prefeitura da cidade de São Paulo.

Publicidade

REPERCUSSÃO

Alguns internautas sentiram-se incomodados com a escolha do blog por Marcos Feliciano. Na seção de comentários da página é possível encontrar o feedback de alguns deles manifestando o descontentamento. “Vocês criaram um blog da homofobia? O próximo a ser entrevistado vai ser algum dos Bolsonaro, ou o Malafaia?”, questionou Marcelo Sobral. “Parabéns pela surreal sensibilidade”, ironizou a usuária Simone Wolfgang. #Eleições 2016 #Dentro da política