Ingrid Duque é bispa na #Igreja Apostólica Plenitude do Povo de Deus e esposa do apóstolo Agenor Duque, da mesma denominação religiosa. Durante o culto, ela realizou uma sessão de 'cura gay' e a cena foi filmada por uma pessoa no celular. O vídeo foi postado no YouTube, pelo canal Evidências Conectadas, e compartilhada nas redes sociais. 

No vídeo, a bispa faz uma oração para que o jovem homossexual passe a ter nojo de homem. Ela também faz um apelo para que mães e pais que têm filhos na mesma condição para que intercedam por ele. O rapaz grita quando Ingrid diz que 'ele pode manifestar', então ele assume outro comportamento e diz que é uma pomba gira.

Publicidade
Publicidade

Ao iniciar o exorcismo ela faz uma oração para que Deus tire as bactérias dele e começa a orar em línguas estranhas, comum nas igrejas neopentecostais. Ela diz que no momento que os demônios saírem ele terá nojo de homem. Uma obreira interrompe a gravação e pede para que a pessoa que está filmando pare. Eles começam uma discussão, e o culto pára de ser gravado.

A Igreja Plenitude entrou com um recurso junto ao Tribunal de Justiça de SP para a retirada do vídeo do YouTube, mas o pedido foi negado. De acordo com o juiz, a gravação é uma expressão de pensamento, sem violação de direito à imagem. Porém, a Igreja tem direito de conhecer quem publicou as imagens e deu um prazo ao Google para que forneça dos dados cadastrais do dono do Canal Evidências Conectadas. 

Não é a primeira vez que usam a imagem dos dirigentes desta denominação.

Publicidade

Nas redes sociais havia uma foto de um culto realizado pelo esposo da Ingrid, o Agenor Duque, onde estava supostamente realizando a 'unção do beijo'. Na foto, o apóstolo aparecia supostamente beijando o homem na boca, escandalizando toda a comunidade evangélica. Porém, a fanpage da Igreja fez uma declaração esclarecendo que não se tratava de uma unção, mas apenas de um abraço de um fiel da igreja ao Duque, no altar, durante o culto.

Muitos seguidores defendem as práticas do casal gospel, e alertam que, quem mexer com os ungidos, será penalizado por Deus. #Religião #LGBT