A ex-primeira dama Marisa Letícia é uma figura bastante polêmica, mas evitou entrar em confrontos midiáticos enquanto estava no poder ao lado do marido, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Até então, a petista ganhava o noticiário quando de fantasiava para ir em quadrilhas juninas, agora ela e a família vivem o cenário de acusações e suposições de envolvimento em uma quadrilha criminosa de verdade, apurada pela Lava-Jato, que investiga o dinheiro surrupiado da Petrobrás através de corrupção. A Revista Isto É publico nesse fim de semana que Marisa não tem gostado de virar esse tipo de alvo e entrou com um processo contra a União por conta do trabalho do juiz federal Sérgio Moro, que comanda a Lava Jato.

Publicidade
Publicidade

 Em conversas telefônicas, gravadas com autorização da Justiça, Marisa mostrou como é de verdade em seu dia a dia. Após descobrir que os brasileiros vaiaram e bateram panelas contra o marido e contra a presidente afastada #Dilma Rousseff durante um programa eleitoral do Partido dos Trabalhadores (PT), na televisão, ela mandou que o povo "enfiasse as panelas no c*". Tamanho linguajar fez com que muitos brasileiros ficassem irritados. Na última semana, no entanto, Marisa decidiu fazer do caso uma fonte que pode gerar recursos financeiros. 

Ela agora pede danos morais da União, que tem seus recursos bancados com impostos do povo. Marisa, o filho Fábio Luís e a nora Renata Moreira querem R$ 100 mil cada um da União. Eles se dizem muito constrangidos após terem mandado o que chamaram de "coxinhas" enfiarem as panelas você sabe onde.

Publicidade

Não há um período para que o processo possa ser respondido, mas ele não é o único. Marisa pede ainda na Justiça os R$ 300 mil de volta que investiu em um Tríplex no Guarujá, em São Paulo. O pedido vem depois do marido Lula negar várias vezes que tivesse efetuado a compra.

Enquanto isso, Lula também tentou ajuda na Organização das Nações Unidas, a ONU, contra o trabalho de Moro na Lava Jato. Ele alega que o juiz federal não trabalha com imparcialidade.  #Governo