Nos anos 90 e 2000, o povo brasileiro assistiu a debates políticos na TV e em outros meios de comunicação, que chamavam a atenção deste público pela excentricidade de duas figuras. Destaco aqui, de um lado, o Dr. Enéas Carneiro; de outro, o Sr. Luiz Inácio Lula da Silva.

Dr. Enéas, uma figura um pouco excêntrica na aparência e brilhante no modo de expor os problemas brasileiros e apresentar medidas para a resolução dos mesmos para a nação. Falava do oponente, #Lula, dizendo que o representante do PT tinha pouca instrução para governar o país. O Dr. Enéas era ridicularizado pelos jornalistas. Não davam a menor importância para os brilhantes discursos a respeito dos problemas nacionais e de como deveria ser um governo preocupado com o desenvolvimento cultural e econômico do país.

Publicidade
Publicidade

Era constantemente atacado por uma casta de pessoas da mídia por demonstrar que o candidato do PT fazia parte de um plano da classe de falsos intelectuais do país. Dizia que o fenômeno Lula foi uma invenção da USP, UNICAMP e outras universidades. E o povo assistia a tudo sem perceber a maquiagem e a manipulação a que sempre sofrem, pois é preparado pela escola e pela mídia para isso.

O Sr. Luiz Inácio Lula da Silva discursava para as massas. Em um país em que o povo é pouco instruído, a maioria sentia-se bem representada, pois pela primeira vez na história deste país havia um candidato do povo. Um candidato que confessava não gostar de estudar e que ler dava-lhe sono. A maioria dizia: este parece comigo. Estou com ele!

Falar dos problemas cruciais do país, de modo honesto, parecia fantasia.

Publicidade

   

E por meio de um discurso populista e de defesa da moral e da ética, no ano de 2002, o candidato do Partido dos Trabalhadores foi eleito. Hoje, por conta das consequências, o povo parece mais alerta e atento para a realidade e já percebeu que trocar a alta cultura e os estudos pela malandragem é um péssimo negócio para o país e para o desenvolvimento da nação. O cidadão está manifestando isso, não apenas pelo voto, mas também pelas manifestações de descontentamento com os desmando e corrupção no país. #Lava Jato #Crise econômica