Símbolo de união entre povos, a #Tocha Olímpica, que teve origem juntamente com os Jogos Olímpicos na Grécia antiga, segue seu revezamento um tanto quanto conturbado no atual país sede das Olimpíadas.

O revezamento da tocha teve início no dia 3 de maio, em Brasília - Distrito Federal, e desde então vem passando por vários estados brasileiros, até que no dia de ontem, 27, o revezamento que se inciou aparentemente tranquilo e previsível foi interrompido por uma onda de protestos dos moradores de Angra, que expressaram toda sua insatisfação com a cerimônia cheia de "pompa e circunstância". A passagem da tocha foi interrompida no bairro Japuíba e o primeiro trecho do revezamento foi cancelado.

Publicidade
Publicidade

A tocha seguiu até o centro, onde novamente o trajeto foi interrompido por mais manifestantes indignados, que intencionalmente ou não, acabaram apagando o fogo da "tocha da vergonha brasileira".

O ônibus da delegação foi cercado por manifestantes e a Polícia Militar teve de intervir com o uso de bombas de efeito moral no melhor estilo de "ditadura do cale a boca", mas, devido aos acontecimentos, a "festinha" teve fim com o cancelamento dos shows de encerramento da noite. Os manifestantes protestavam contra o gasto exorbitante e absurdo da prefeitura da cidade, que teria gasto aproximadamente 45 mil reais para receber a "tocha maravilhosa". Enquanto isso, salários de funcionários estão atrasados e a cidade enfrenta uma forte crise de desemprego.

É desconhecida a identidade ou as identidades de quem apagou o fogo olímpico, mas seja quem for que o tenha feito e se realmente o fez, o fez em nome de uma nação e com certeza recebeu e recebe aplausos frenéticos de muitos anônimos brasileiros que têm na mente e no coração o mesmo desejo de indignação e justiça, diante de uma comemoração mascarada de sorrisos largos e fortes apertos de mão.

Publicidade

Em contrapartida, um país deficiente de saúde, cultura e conhecimento, que gasta milhões em uma festa mundial, mas não consegue sequer amenizar os problemas mais simples de um país em decadência. #Olimpíadas 2016 #Rio2016