As #Eleições já estão próximas. O primeiro turno acontecerá dias 2 de outubro. No dia 30 de outubro, será o segundo turno. Sim, chegamos a mais uma eleição municipal que acontece no Brasil de quatro em quatro anos. Nela, os eleitores brasileiros vão, através de seus votos, escolher um prefeito, um vice-prefeito e os vereadores que farão parte da Câmaras Legislativas Municipais.

Há muitos escândalos envolvendo os setores públicos. Estamos vivendo dias difíceis, onde acreditar em promessas, em honestidade, em virtude, em coragem daqueles que irão nos representar para combater a #Corrupção, torna-se quase impossível. A cada dia presenciamos novos casos de corrupção onde se fala de milhões de reais sendo desviados dos setores públicos.

Publicidade
Publicidade

De quem é a culpa? Temos a mídia focada em nossos políticos, mostrando que em todas as camadas há uma forma de corrupção. Estamos convivendo com isso o tempo todo e até os filmes mostram a sujeira por trás dos homens mais poderosos que deveriam cuidar do seu povo.

Quando vemos essas coisas acontecendo, temos nojo da política, passamos a acreditar que todos que estiverem lá farão a mesma coisa. Que não existe saída e que temos que nos conformar com tudo isso. Quanto mais pensarmos desse jeito mais quem está no poder irá perpetuar-se nele, tendo assim um grande escudo, usando o povo contra ele mesmo. Ou seja, se não gostarmos de política, não vamos mudar o nossos governantes e é exatamente isso que eles querem. Que ninguém entre e que eles sejam intocáveis, não é mesmo?

Qual seria a saída? Ou estamos destinados ao fracasso? O que podemos fazer para sair desse grande problema? Bem, são perguntas muito difíceis de responder, porém há muito o que se fazer para que possamos mudar esse cenário.

Publicidade

E o que é primordial e mais importante seria quebrar esse escudo que separa o povo dos seus governantes.

Vivemos uma democracia (que vem da palavra grega “demos” que significa povo). Nas democracias é o povo quem detém o poder soberano sobre o Legislativo e o Executivo. Como podemos deter o poder se não gostamos de política? Acabamos assim, sendo um povo não político, que chega ao poder e que não age da forma correta, que não entende e não sabe governar.

Já passamos da hora de reconhecer isso e passarmos a gostar e entender a política, votar com consciência, conhecendo os nossos candidatos e nossos partidos, colocando na esfera política pessoas diferentes ou até mesmo nos candidatando. Ter aversão à política é aumentar a hegemonia daqueles que detém o poder, é ser um escudo contra si mesmo, é estar contra o povo do qual fazemos parte.

Precisamos entender que no meio de todas essas pessoas de má índole há aquelas honestas, compromissadas, fiéis, sábias, que governariam para o povo. Mas, como podemos colocá-las no poder se não as conhecemos? Como saber se são honestas ou não, se não conhecemos seus projetos? Como podem chegar no poder se não damos oportunidade a elas? Não conhecemos nada disso, não sabemos nem qual partido tem a melhor proposta de governo.

Publicidade

Poucos são os que realmente conhecem sobre isso.

O propósito dessa conversa com vocês é que reflitam sobre essas coisas, que repensem o que estamos fazendo, que façam escolhas boas para que possamos ser um dia um país de primeiro mundo, um país livre da corrupção, de maus governantes aclamados por nós mesmos e que vem do povo. Será que temos alguma culpa, por termos governantes tão despreparados e corruptos? Fazemos parte da corrupção deles direta ou indiretamente? Sou eu corrupto? A mudança que começa por nós próprios é que fará a diferença no futuro... E ela precisa começar agora... Falar que não acredita mais no Brasil é desistir de si mesmo. #Crise-de-governo