Mais uma vez o torcedor brasileiro não ficou satisfeito ao ver o empate de zero a zero contra o Iraque no jogo de ontem, 7 de agosto. Logo que o juiz apitou o final do jogo, a #Seleção Brasileira saiu de campo vaiada e a iraquiana aplaudida, como uma forma de protesto contra a má atuação do Brasil nesses últimos dois jogos, sendo que o primeiro foi contra a África do Sul.

Isso mexe profundamente com um dos bens maiores do #Futebol brasileiro que é a Seleção. Isso mexe, dói e incomoda porque faz muito tempo que a seleção não mostra boa performance em jogos oficiais. Apesar dos grandes nomes do futebol internacional fazerem parte desse elenco da edição dos Jogos Olímpicos do Rio 2106, como Neymar, esse mesmos se mostraram apáticos e com falta de coletividade.

Publicidade
Publicidade

Aconteceu o mesmo problema na Copa América e agora os mesmos erros táticos e motivacionais estão se repetindo.

A vergonha foi tanta que logo que o jogo foi finalizado, os jogadores do time do Brasil se retiraram do campo e foram direto para o vestiário e nem se quer tiveram a coragem de falar com os repórteres para prestar esclarecimentos e tão pouco explicar ao telespectador e torcedor o que houve em campo. Isso mostra o tamanho da vergonha e falta de argumentos que justificariam mais um empate para um time que, teoricamente, não têm tanta tradição e títulos quanto o futebol brasileiro.

Com certeza, isso é um pouco diferente do estamos acostumados a ver, isso é uma Olimpíada. O que se percebe é que falta o "espírito olímpico", como aconteceu em 1984 com uma maratonista suíça chamada Gabrielle Andersen.

Publicidade

Ela vinha cambaleando, muito cansada, quase desmainando, mas negava ajuda antes de completar a prova. Ela negava estar abatida pelo cansaço, mesmo que sua vida estivesse em risco.

O que se fala nas mídias sociais é que o elenco que faz parte de time olímpico do Brasil não têm vontade de suar a camisa e que não há comprometimento, afinal no final do mês seus salários milionários estarão na conta mesmo, não é? Se preocupar para quê? #Rio2016