Uma estudante de Brasília, de 22 anos, militante do PSC, partido do deputado federal Marco #Feliciano, o acusou de abuso sexual. As imagens divulgadas mostram conversas com o deputado pelo WhatsApp, nas quais ele faz diversas insinuações e tentativas de intimidar a jovem.

O caso foi mencionado originalmente no blog Coluna Esplanada, do jornalista Leandro Mazzini. Segundo a mulher, Feliciano tentou estuprá-la em seu apartamento funcional, em Brasília, na Quadra 302, em junho. O #Crime não aconteceu porque uma vizinha, ouvindo gritos vindos do apartamento, tocou a campainha e foi atendida por um Feliciano tenso e esbaforido, que disse a ela que ela havia batido na porta errada.

Publicidade
Publicidade

O deputado  teria lhe oferecido um cargo comissionado no PSC, com alto salário, para que se tornasse sua amante e a agressão se deu após a vítima ter negado a proposta. Agredindo-a fisicamente com um soco, que a teria deixado com os lábios sangrando, ainda tentou beijá-la depois. Na conversa pelo aplicativo de mensagens, ela diz que está com os lábios roxos e, jocosamente, Feliciano a diz para passar um batom.

Às imagens que comprovam o #Assédio cometido contra a jovem soma-se um áudio, divulgado na quarta-feira, 3 de agosto, em que a vítima conversa com Talma Bauer, chefe de gabinete do deputado. Nessa gravação, a mulher não apenas afirma o que aconteceu a ela, mas também explica os motivos de não ter ainda procurado a polícia, por lealdade ao partido e a sua religião. Bauer, por sua vez, não nega, em nenhum momento, que ela tenha sido assediada, procurando inclusive justificar que sua beleza possa ter levado Feliciano a perder a discrição.

Publicidade

Ele ainda pede desculpas e a certifica de que, dentro do partido, ela não seria prejudicada.

Apesar de se manter enfática, a vítima voltou atrás e desmentiu o assédio após sair de Brasília, gravando um vídeo em que elogia Marco Feliciano. Além de se manter isolada e ter saído da cidade sem os pais, sua nova versão de que o repórter Mazzini estaria mentindo gera desconfianças - principalmente porque no vídeo que anda sendo compartilhado pelo WhatsApp, a jovem aparece justamente ao lado de Bauer.

Em se tratando de um indivíduo com o poder que o deputado federal detém, inclusive por comandar uma legião de fiéis em sua igreja, não é de se surpreender que essa mulher tenha optado por, repentinamente, passar a negar a história. Homens poderosos têm acesso a ferramentas múltiplas de intimidação e esse é um dos principais motivos pelos quais um grande número de vítimas de estupro por parte de figuras públicas acabam não seguindo adiante em suas denúncias.

Diante da reviravolta, é também provável que este seja mais um caso em que tudo é varrido para debaixo do tapete.