Uma ótima notícia aos adeptos da leitura, especialmente os leitores de que suspiram, choram, vibram com romances e fazem da leitura um hábito especial.

O hábito da leitura vem crescendo significativamente no Brasil. O número de leitores cresceu 6% entre 2011 e 2016, são 104,7 milhões de leitores, segundo última pesquisa Retratos Da Leitura (4ª edição). 42% dos leitores afirmam ler a Bíblia e 22% contos e romances.

Quem tem o hábito de ler, escreve melhor, fala melhor, interpreta melhor, tem a criatividade estimulada, relaxa, melhora a desenvoltura, existem sentimentos que só um leitor entende, como se sentir dentro de uma história, se apaixonar por um personagem, esperar esse livro virar um filme e além de espectador virar um "critico", organizá-los em uma prateleira separados por cores, títulos e autores, cada um com uma lembrança diferente, mas todos especiais.

Publicidade
Publicidade

Pesquisadores da Universidade De Yale analisaram 3.635 pessoas, seus hábitos de leitura e suas condições físicas, um acompanhamento que durou 12 anos.

Dividiram as pessoas em grupos de acordo com o tempo dedicado a leitura diariamente. Os pesquisadores concluíram que quem tem o hábito de ler viviam dois anos a mais que os que não liam (entrevistados com idade mínima de 50 anos), pesquisa foi publicada pela Social Science & Medicine, tendo Becca Levy como autora do estudo, a mesma informa que mesmo com os ajustes de classe social, a relação da expectativa de vida baseada no tempo dedicado a leitura continuava a impactar. Uma explicação para esse resultado seria a capacidade cognitivas (capacidade dos indivíduos em conectar-se com tudo a sua volta) que aumenta com o hábito da leitura.

Toda leitura é válida, porém, identificaram que a leitura de romances impactava diretamente com a longevidade dos leitores, perfil de leitores mais comum no estilo: Mulheres com nível superior e renda estável.

Publicidade

Finalizando os estudos, foi concluído que quem lê trinta minutos por dia, cerca de três horas por semana, teria 17% a menos de chance de morrer comparado a quem não lê. Para leitores com maior frequência, índice subiu para 23%.  #Livros #EUA