A grande rede mundial já faz parte das nossas vidas da mesma maneira que hábitos básicos como escovar os dentes, tomar banho e se alimentar já permeiam o cotidiano.

Esses hábitos citados como exemplo são constantes e têm por intuito uma vida saudável, equilibrada e feliz. O mesmo raciocínio pode ser aplicado quando se quer criar uma página nas redes sociais. Para usufruir da atividade on-line, são precisos alguns cuidados para não fazer feio. Confira a seguir algumas dicas para usar as redes sociais de modo útil, inteligente e que não acarrete problemas futuros: #Comunicação #Blasting News Brasil

  • O que te motiva a navegar numa rede social? Antes de mais nada, pense no que você objetiva ao acessar uma rede social? Rever amigos de infância? Não perder o vínculo com amigos de faculdade ou do trabalho? Divulgar uma habilidade ou ter um posicionamento sobre um determinado assunto? Atrair atenção para a mobilização de uma causa relevante? Quando você estabelece o que quer – o seu objetivo -, metade do caminho já está trilhado. Assim, você terá mais facilidade para se expressar e quais temas demandarão maior cuidado;
  • Compartilhar é bom, mas exige cautela: se você é daquelas pessoas que tudo deve ser escrito e debatido, coloque-se na seguinte situação: é possível falar abertamente e ao público em geral sobre o que vou escrever num ‘post’? Ou não? Se fosse uma foto ou vídeo, valeria a pena mostrar para o seu círculo? As pessoas reagiriam da mesma forma? Se sim, esteja preparado para a sua rede social ter entradas e saídas de pessoas. Esse público flutuante pode ser um bom termômetro indicativo não só sobre o que você publica de conteúdo, como também é um aferidor de como você se comunica;
  • Prefira “altos papos”: lembre-se que você está diante de uma máquina e, como se sabe, ela não transmite emoções. Os textos também são como máquinas: não tem vibração, nem entonação. Uma frase escrita pode ser natural para um, mas ofensiva, irônica para outro. A interpretação tem peso decisivo. Uma outra coisa importante: muita gente pode parecer um ‘doce’ no dia-a-dia, mas, protegido pela sensação de estar atrás do aparelho, pode adotar uma índole mais sarcástica, agressiva. Neste caso, afaste-se disso e procure dialogar com um público em que haja gostos e preferências em comum. Mantenha seu nível sempre que possível;
  • Fique atento, mas não se ponha dentro de uma redoma: como a #Internet é um espaço amplo e bem democrático, não vacile quanto a questões de segurança. Verifique suas configurações de privacidade de seu equipamento; você é quem tem o controle e a liberdade de alterar o padrão daquilo que os outros poderão acessar sobre você. Tome precauções. É muito bom ter que pesquisar outras páginas ou outras redes sociais com fotos interessantes, descrições e histórias de êxito, ser solidário. Pesquisar é ótimo, mas a xeretice...
  • Preste atenção e tire a prova real: hoje em dia, muita coisa falsa aparece na Internet. Não creia em tudo.  Antes de avaliar ou emitir opinião, procure fontes confiáveis: veja quem escreveu ou publicou, quando apareceu, é coerente? Quanto a um tema específico, não acredite na primeira coisa que apareça. Busque várias fontes sobre esse mesmo tema para obter a segurança necessária ao emitir uma opinião. Faz com que o processo fique completo;
  • Merecidas férias, de vez em quando: diz o ditado popular que tanto a falta quanto o excesso são prejudiciais. Tenha em mente de que você ficará um tempo suficiente para navegar nas redes ou na Internet. O vício faz com que se sinta apartado da vida social, além de relegar a segundo plano tarefas práticas em que a tecnologia não pode auxiliar. Afinal, computadores não lavam louça e nem cozinham, não é? Essa dica é uma forma de evitar que se sinta culpa por passar tantas horas na Internet. Resultado: o seu dia terá um rendimento melhor. Caso contrário, é bom repensar a divisão do seu cotidiano. Isso inclui atividades, obrigações, pausas e entretenimento. Realize de forma a ter começo, meio e fim. O tempo está nas suas mãos.