Como se não bastasse uma mídia manipuladora e um governo que precisa utilizar de formas ilegítimas para chegar ao poder, há um povo que, pertencendo a classe trabalhadora, não sente seus direitos escaparem por entre os dedos e apoiam a um governo golpista. Porém, esse não é o X da questão, afinal, essas pessoas vão repensar seus atos quando começarem a sentir na pele o que fizeram. A parte chata mesmo é o conformismo. Sabe essas pessoas conformistas que pensam que é assim mesmo e as coisas não vão mudar, independente de quem assuma o governo, sempre vai ser a mesma coisa? Pois é, exatamente esse pensamento que é preciso mudar.

É necessário entender que há a possibilidade de mudança a partir do momento em que se passa a lutar.

Publicidade
Publicidade

Não adianta falar que nada vai mudar e não fazer nada para que isso aconteça. Um grande exemplo disso é a própria Dilma, que mesmo após sofrimento com o golpe de 64 insistiu, suportou as dores a que foi submetida na Ditadura e continuou a lutar, chegando a presidência, além de ter grande participação nas políticas sociais que emergiram de formas mais democrática para o povo, das grandes oportunidades que surgiram no governo PT, possibilitando o crescimento de milhares de pessoas das classes menos favorecidas. 

Novamente, na atual circunstância, nada mais digno de ser usado como exemplo do que o nome de Dilma Rousseff, que, mesmo após um segundo golpe, continuou firme e se pronunciou deixando claro que está disposta a continuar a luta. É preciso lutar para alcançar a mudança e é preciso tomar uma posição, não por apoiar o partido, mas por ser a favor do que é certo.

Publicidade

Um processo de #Impeachment sem crime de responsabilidade é golpe, e não é preciso um amplo conhecimento de política para saber disso. O próprio Michel Temer diz em seu pronunciamento que "golpista é quem derruba a constituição", deixando claro que o que ele próprio fizera foi um golpe, afinal, ficou mais do que provado que não houve crime que pudesse caracterizar um impeachment por parte de Dilma, e os argumentos utilizados pelos senadores foram totalmente sem fundamentos.

Uma coisa é fato: Golpe! O Brasil sofreu no dia de ontem, 31 de agosto de 2016, um golpe de Estado que vai entrar para a história, e como disse #Dilma Rousseff em seu pronunciamento, o golpe vai atingir indistintamente qualquer organização política progressista e democrática, o golpe é contra os movimentos sociais e sindicais e contra os que lutam por direitos em todas as suas acepções. Direito ao trabalho e a proteção de leis trabalhistas, direito a aposentadoria justa, direito a moradia e a terra, direito a educação a saúde e a cultura, direito aos jovens de protagonizarem sua própria história, direito dos negros, dos indígenas, da população LGBT, das mulheres, direitos de se manifestar sem ser reprimido.

Publicidade

O golpe é contra o povo e contra a nação, o golpe é misógino, o golpe é homofóbico, o golpe é racista, é a imposição da cultura da intolerância, do preconceito e da violência" e o que não se pode fazer é se entregar a esse golpe. Lute como uma mulher, lute como Dilma.

Vamos lutar para que a democracia retome o seu lugar. #foratemer