Há pessoas que têm o dom de disseminar suas ideias e convencer multidões a respeito de seus pensamentos. Isso é, de fato, um dom, mas não é estranho pensar ou relembrar quantas pessoas que tínhamos como ícones, formadores de opinião, obstinadas, incansáveis e, de repente, quando alcançam o sonho tão almejado, se transformam? Quem não se lembra de alguém que seria o “salvador da pátria” e se transformou no “traidor da pátria”?

E quais os motivos que levam tais pessoas a se transformarem desta forma? Será que se perderam pelo meio do caminho? Foram corrompidas pelas conquistas que almejaram?

Vamos analisar o significado de duas palavras que podem responder a estes questionamentos:

#Ideologia, de uma forma mais simplificada, é algo que é inegociável, são valores que a pessoa não abre mão por nada, mesmo que isso lhe custe muito caro.

Publicidade
Publicidade

Obviamente que no sentido positivo da palavra.

#Egoísmo é buscar benefício próprio em tudo; pensar primeiro em si e não no bem comum. O egoísta é aquele que é capaz de qualquer coisa para conseguir seus objetivos de forma inescrupulosa, antiética e, até mesmo criminosa.

Diante destas explicações, não seria difícil compreender que muitas pessoas formadoras de opiniões podem o ser por ideologia. Ou seja, mesmo que o mundo esteja contra, elas mantêm seu rumo e seu foco naquilo que ela acreditam ser benéfico para a sociedade. Invoco aqui vários exemplos: Mahatma Gandhi, na sua luta pela libertação da Índia; Martin Luther King, com sua célebre frase “I have a dream”, em sua luta pela igualdade racial; Nelson Mandela, passou 26 anos preso por causa da sua luta contra o apartheid; e, meu maior ídolo, Jesus Cristo, que para ser o salvador da humanidade, deu sua vida por isso.

Publicidade

Da mesma forma, não faltam exemplos de formadores de opinião, que moviam multidões em seus discursos e, por fim, se transformaram em decepções a todos que acreditavam neles; alguns, inclusive a nível mundial. Não quero citar aqui nomes, por questões legais, mas, só ler os noticiários diários que eles estão lá, estampando dia após dia as mídias em todas as suas formas.

O que nos move: idealismo ou egoísmo? Cada um faça sua autocrítica e repense seus caminhos, suas atitudes, afinal, vivemos tempos difíceis e talvez possamos mudar o rumo das coisas se começarmos por nós mesmos.