O Ideb é um exame nacional que tem como finalidade avaliar a qualidade da #Educação básica no país. O que foi percebido é que os últimos anos, tanto do fundamental quanto do médio, pioraram suas notas.  O teste é divulgado a cada dois anos e o que é levado em conta são notas de português e matemática, mais os índices de reprovação e de evasão escolar. 

A educação no #Brasil nunca teve uma média satisfatória e o resultado que vimos nesse ano é que conseguimos piorar a nota ainda mais. O ministro da Educação considerou vergonhoso o resultado e afirmou que isso é fruto de muita propaganda e pouco trabalho. Ele está na "pasta" há poucos meses, porém a responsabilidade agora passa a ser dele.

Publicidade
Publicidade

O que se pode afirmar é que ele terá que se esforçar para mudar o quadro da realidade brasileira; entretanto, um #Governo não poderá transformar a história de décadas em poucos anos. 

O ensino médio foi o grupo da educação que mais se afastou da meta esperada pelo Ministério da Educação, que era de 4,3 pontos. O que preocupa é que o desempenho em matemática piorou muito entre nossos jovens; em 2011, por exemplo, eles sabiam mais do que hoje.

Tudo influencia na vida dos estudantes: família, amigos e principalmente a tecnologia. Ela pode ser nossa auxiliadora e também nossa sabotadora, cada um tem que saber fazer seu uso corretamente. No mundo digital, os jovens se preocupam mais com uma rede social do que com os estudos, leem mais aplicativos do que livros; a sociedade precisa acordar.

A língua portuguesa no Ideb teve uma pequena melhora, passou de 264 em 2013 para 267 na atualidade, porém a nota ainda é bastante inferior à nota do ano de 2011.

Publicidade

Além disso, a ideal seria 300. O que mais impressiona é que nenhum dos estados conseguiu as notas adequadas para as duas disciplinas. É preciso despertar para um futuro melhor, educar para ter uma qualidade de vida superior, um país mais avançado.

O que vimos foram diversas propagandas de apoio à Educação e de uma melhora milagrosa, porém o que constatamos foi um dos piores resultados já divulgados pelo MEC.