Um estudo encomendado pela Mars Brasil, empresa líder no mercado de alimentação para #Cães e #Gatos, revelou que os donos de cachorros levam seus bichinhos de estimação com maior frequência ao veterinário comparado com os donos de gatos. A pesquisa foi feita com o intuito de compreender o padrão comportamental dos brasileiros na interação com seus #Animais de estimação, bem como conhecer as principais barreiras para aqueles que ainda não possuem um pet.

Na primeira etapa, na qualitativa focada em 13 grupos de discussão foram ouvidos homens e mulheres com mais de 25 anos, sendo divididos em três grupos: donos de cães, de gatos, e os que não possuem nenhum dos dois no presente momento, porém tinham a intenção de ter um nos primeiros dois meses de 2015. A parte quantitativa tomou como base 900 entrevistados, sendo 300 de cada grupo grupo anteriormente mencionados.

Publicidade
Publicidade

A margem de erro foi de 6 pontos percentuais por segmento e 3 na amostragem integral.

A pesquisa, inédita no Brasil, mostrou que os donos de cães levam seus pets com maior frequência ao médico veterinário em relação aos tutores de gatos, com uma média anual de 2,8 vezes contra 2,3 respectivamente. Os motivos essenciais são as consultas consideradas de rotina e vacinação (79% cães, contra 76% gatos) e o surgimento de algum tipo de doença (26% versus 19%). Foi revelado ainda que pouco mais da metade dos donos de pets (51% para cachorros e 52% para gatos) buscam a devida orientação para saber a alimentação mais adequada para seus bichinhos. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil possui cerca de 52 milhões de cães e 22 milhões de felinos.

Um dado preocupante denunciado pelo estudo mostra que o número de donos que procuram assistência devido a problemas de sobrepeso é extremamente baixo (cerca de 5% para ambos).

Publicidade

O Dr. Alex German, referência em nutrição e saúde animal, citou alguns cuidados imprescindíveis com seu animalzinho e entre eles estão: reduzir o consumo exagerado de alimento, consumindo menos e fazendo mais exercícios físicos, e fazer o monitoramento sempre consultando um veterinário a cada meio ano.