#Fernando Haddad, que é o atual prefeito da maior cidade brasileira e uma das maiores do mundo, São Paulo, é também o candidato que disputa a renovação do seu mandato por meio da reeleição. Haddad acabou participando de uma discussão acalorada com Marco Antonio Villa, que é comentarista político, no programa da Rádio Jovem Pan no período matutino do dia 12 de setembro. Tudo aconteceu em função da frase de Villa que acusou o prefeito de “trabalhar pouco”. O mesmo Villa, que tem ligações fortes com o PSDB, acabou se exaltando, enquanto Haddad, apesar de ter sido incisivo, conseguiu manter-se tranqüilo. 

Segundo o jornalista Villa, a agenda de Haddad “não representou compromisso com o trabalho”, só que vale frisar, que em duas ocasiões distintas, Marco Antonio Villa se tornou o destinatário de pegadinhas executadas pelo prefeito de São Paulo para demonstrar que o comentarista da Jovem Pan era mentiroso e desonesto.

Publicidade
Publicidade

Os acontecimentos em si acabaram por irritar, e muito, a Villa. 

No dia 16 de maio deste ano, o prefeito arquitetou a divulgação de uma agenda com suas atividades, mas que, na realidade, era preenchida com compromissos falsos que não passavam de despachos internos na prefeitura. A partir de então, Villa lia constantemente a agenda do prefeito na Rádio, onde dizia que Haddad “não gostava de trabalhar”. Tanto é assim que, em certa ocasião, Fernando criticou abertamente Villa em uma rede social sobre o ocorrido, com uma publicação cujo título foi “Trote num pseudointelectual”. 

O prefeito não mediu palavras no encontro com o jornalista na última segunda-feira, pois inclusive disse que é uma dificuldade ter respeito pela atividade de Villa, até mesmo porque esse último não traça nenhum comparativo entre as diversas agendas de inúmeros outros representantes da política.

Publicidade

Haddad ainda foi além, dizendo textualmente o seguinte: “você não perguntou? Agora ouça. E você também está sendo processado por calúnia e difamação”. 

Passividade da Rádio Jovem Pan 

Foi sinalizado pelo conhecido jornalista do DCM - Diário do Centro do Mundo, Kiko Nogueira, que a postura da Jovem Pan não foi nem um pouco sensata, quando admitiu que um dos seus comentaristas tentasse violentar com palavras a uma pessoa que, independente de quem fosse, era antes de mais nada um convidado da Rádio, e isso por questões de esfera pessoal. 

Nogueira reiterou que ser contundente, firme, confrontar o outro com informações é uma coisa, assim como foi feito pelo também jornalista Roberto Cabrini diante de Cunha e sua esposa Cláudia Cruz; todavia, o “jogar na cara de um convidado os frutos de uma doença que o interlocutor cultiva”, não é algo que possa ser considerado válido. 

A conclusão de Kiko Nogueira sobre o debate em questão foi bastante enfática, já que o profissional do DCM entendeu que o comentarista quis sim é se vingar de Haddad, sendo que o prefeito conseguiu êxito em se sair muito melhor, porque foi capaz de manter a calma diante de um ensandecido Villa, o qual até destratou a sua colega da Rádio Jovem Pan, que tinha se atrevido a pedir o controle de ambos na situação.

Publicidade

#Trabalho #Eleições 2016