Caio Fábio é psicanalista, escritor e pregador do Evangelho de Jesus. Em seu canal no YouTube ele deu sua opinião sobre #bolsonaro e seus seguidores. Ele afirma que existem milhares de evangélicos, que defendem Silas Malafaia e Marco Feliciano, concordam com tudo que Bolsonaro diz. Quem tem uma opinião contrária é fortemente combatido. Caio Fábio considera Bolsonaro um nazista.

Caio diz que os crentes estão iludidos pelo fato de que Bolsonaro se batizou e agora é cristão, mas suas atitudes continuam perversas como sempre foram. Ele ainda diz que é impossível comparar o evangelho de Jesus com o maneira de pensar de Bolsonaro, pois são totalmente incompatíveis.

Publicidade
Publicidade

Para Caio, é como tentar fazer de Hitler um apóstolo da boa vontade. Assim, Bolsonaro nunca será exemplo de representante cristão.

Em um vídeo Bolsonaro, afirma que democracia não funciona, e é a favor da tortura. Caio diz que ter Bolsonaro como presidente e Feliciano como vice é ter representante de um Cristo diferente. Segundo ele as pessoas estão cegas em acreditar nos dois, e quem os apoia nega o evangelho, e é a favor da tirania perversa e hitleriana. 

Quem adere ao Bolsonaro é ariano, diz Caio Fábio. Ele os denomina bolsonarianos e diz que não tem comunhão com que apoia este político. De acordo com ele, os crentes que apoiam Bolsonaro é alucinada e fanática, colocando o interesse nele acima do interesse pelo evangelho de Jesus, mesmo afirmando serem evangélicos. 

Caio Fábio afirma que os evangélicos acreditam na cura do país através da violência, guerra civil e morte.

Publicidade

O psicanalista acredita que Bolsonaro deveria responder judicialmente por fazer declarações tão absurdas de apologia à violência. Seus seguidores, os crentes, estão cheios de ódio e não de amor. Eles não se preocupam mais com Jesus, ensino da Palavra de Deus, misericórdia, optando pelo caminho da brutalidade. Caio chama os telespectadores a ver os líderes desses crentes, que são pastores 'ogros', brutos e perversos.

Veja o vídeo com as declarações de Bolsonaro e Caio Fábio.

  #Eleições #Religião