Em tese, os Estados Unidos não têm um único sistema eleitoral, e sim 2: um modelo diferenciado para a eleição Presidencial e outro para o Congresso. As Eleições para presidente não são diretas, mas o povo tem direito ao voto. Vejamos na pratica como isso funciona.

Cada estado é um colégio eleitoral, composto de delegados escolhidos pelos eleitores. Esses delegados, por sua vez, votam no candidato presidencial. O Colégio Eleitoral tem 538 integrantes, representando todos os 50 estados. O número de delegados leva em consideração a população do Estado; geralmente o número de delegados é o mesmo de representantes que aquele estado tem no Congresso.

Publicidade
Publicidade

Isso mesmo! Na prática, o presidente é eleito pelos delegados e não pelo povo diretamente.

Isso quer dizer que, mesmo que o Presidente tenha maioria de votos válidos pela população, o que vai garantir mesmo a vitória serãp os 270 votos dos delegados dos colégios eleitorais. Nas eleições de 2000 isso aconteceu: Bush foi eleito sem ter conquistado a maioria dos votos, Al Gore teve 48,38% dos votos válidos, contra 47,87%, mas conseguiu apenas o voto de 267 delegados

Algumas pessoas questionam o fato de os Estados Unidos não usaren urna eletrônica; na prática, não precisam de um sistema tão avançado para contabilizar votos, que na verdade só serve para mostrar como os delegados votaram.

Quais vantagens podemos destacar deste sistema? Vejamos pelo menos 4:

  • 1.º Estado coeso, pois leva-se em conta, não a vontade de uma região, mas sim a proporção da população.
  • 2.º Sistema eleitoral bi-partidario, Democratas x Republicanos: na história da democracia americana, não há espaço para partidos minoritários elegerem um Presidente.
  • 3.º Os colégios eleitorais forçam os candidatos a ter contato com os lugares, que numa eleição direta não teriam o mínimo de atenção.
  • 4º O sistema não permite que uma única região eleja um candidato, já que nenhuma delas consegue eleger sozinha um Presidente.

Já aqui no Brasil...

Publicidade

essa semana tivemos uma aula prática, com o Procurador da República, sobre como realmente funciona o nosso sistema político. Em primeiro lugar, as eleições são diretas pela população, praticamente com quantos partidos quiserem; não dá para ter um estado coeso com dúzias de partidos disputando uma eleição!

Outra questão são os regionalismos, que já ficou claro que garantem, sim, uma eleição presidencial. Obviamente nos Estados Unidos, o Presidente já é eleito tendo a governabilidade garantida; aqui no Brasil, precisa fazer pacto até com o Diabo, para conseguir governar, já que dependerá do congresso para ter a governabilidade. Lá o Presidente vence o sistema para ser eleito; aqui o presidente é eleito e depois é vencido pelo sistema. #Lula #Lava Jato #Crise no Brasil