Um dia, tudo acaba. Aquela barra de chocolate, uma exposição maravilhosa que vai deixar gostinho de quero mais, as férias e aquela pessoa importante um dia se vai. Restarão somente lotes de memórias de um tempo bem aproveitado de todos os acontecimentos vividos, sentimentos e sensações, tudo irá virar lembranças, essas que o tempo não consegue apagar, experiências adquiridas, sonhos deixados de lado, escolhas efetuadas.

É preciso aceitar que tudo isso, um dia acaba

Existem dois polos dentro de nós que nos deixam completamente confusos e sem saber como agir: a alma e o ego. Enquanto a primeira ama a mudança e curte o processo, o segundo odeia.

Publicidade
Publicidade

Chega a ser incrível a forma como podemos sentir os dois sentimentos ao mesmo tempo.

Por ser livre de amarras, a alma não se preocupa com finais, não se preocupa com as mudanças, pois sabe que não será a primeira, nem a última e que essas mudanças são necessárias para a nossa formação e crescimento. Ao ver que acabou, que realmente terminou, nossa alma fica feliz, brilha somente ao imaginar em reconstruir, inovar naquele espaço que foi aberto dentro de nós.

No entanto, o ego, não aceita as coisas com tanta facilidade. Independente de ser algo que realmente não está nos fazendo bem, a mudança é algo assustador. Um monstro, na realidade. Independente daquele relacionamento não ser mais tão bom, ser simplesmente fonte de tristeza hoje, mas ele já foi bom, pode voltar a ser, não pode? Tão apegado ao passado, aos acontecimentos anteriores, que não consegue enxergar aquilo que está bem na frente dele.

Publicidade

Controlar pensamentos é difícil, mas não impossível

Assim como as coisas boas devem acabar um dia, como, aquela ida ao parque, aquela festa maravilhosa. As coisas ruins também, tudo na vida precisa de um ponto final.

No entanto, possui também aquelas coisas que não temos controle. Nossa alma não estava preparada e nosso ego muito menos. Aquelas situações que simplesmente acontecem. Não sabemos de onde vieram e muito menos para onde irá nos levar. E pior, estamos de mãos atadas. Não podemos fazer nada, nem mesmo um único dedo para fazer aquilo mudar. Como agir? E como aquele bordão conhecido diz:

“Aceita, que dói menos”

É difícil! Mas ninguém aqui disse que é fácil. Vai ser difícil e aceitar a situação, não diz que necessariamente você precisa concordar com ela. Você não precisa, só precisa aceitar que o controle não está em suas mãos e vai ter dias que vai parar e pensar porque aquilo aconteceu ou simplesmente deixou de acontecer e realmente, não vai ser fácil de aceitar, mas não é impossível.

Publicidade

Primeiramente, trabalhe seu ego, o apego dele. Analise tudo que já passou em sua vida, reflita quais foram os métodos que te levou a seguir em frente após os momentos difíceis. Use-os como exemplo, como experiência adquirida na vida para os medos, culpas e faltas que estiveram presentes. Trabalhe de forma consciente a aceitação e coloque em mente que aquilo acabou.  

Essa não foi a primeira e nem será a última que terá que abrir mão de algo. Deixar o espaço aberto para as mudanças e trabalhar em seus medos. Entenda que o que passou, passou, não fique remoendo ou dando importância. A vida deve continuar.

Vivemos em constante transformação. E realmente, tudo um dia na vida passa e devemos seguir em frente.  Bola pra frente, a vida continua. #pensamentos #Auto Ajuda #Dicas