Um pato está causando divergências entre família paraense, mais precisamente entre mãe e filha, tudo porque a mãe criou um simpático pato para servir de almoço no dia do 'Círio de Nazaré', uma tradição entre os paraenses, mas a filha apegou-se ao animal e pretende levar essa amizade longe. Patúncio é o nome com que foi batizado o pato, que chegou à casa da jornalista Helena Palmquist, no início do ano. Sua função era engordar e ser servido em uma travessa como uma das comidas tipicas e mais saborosas do Pará, o 'pato no tucupi'. Mas, contrariando as expectativas da mãe, sua filha de 10 anos, Carmem, pretende adotar 'Patúncio', como seu bichinho de estimação.

Publicidade
Publicidade

Segundo Helena, isso é uma coisa natural em sua cidade, as pessoas criam o pato desde novinho e no segundo domingo de outubro, dia dedicado às orações e à romaria do 'Círio de Nazaré', que esse ano será celebrado no dia 9 de outubro, ele é naturalmente servido na mesa dos paraenses. Mas acontece que a pequena Carmem não quer saber da tradição, ela se apegou a 'Patúncio' e não pensa em vê-lo servindo de almoço.

"Estou criando um bicho para comer", diz Helena, afirmando que o destino do pato já está traçado. Carmem houve e protesta: "Sinto muita pena e não vou deixar a mamãe matar, de jeito nenhum". Ela garante que não comeria pato no tucupi nem que fosse feito com outro bichinho.

Costume antigo

No Pará, essa é uma tradição muito forte, segundo a jornalista, cresceu vendo o pai todo ano comprando patos vivos, que vinham do interior gordos e grandes, prontos para o abate.

Publicidade

Ela disse que Patúncio foi um presente. De acordo com o antropólogo Romero Ximenes, criar esses #Animais em casa não é correto pelo fato da higiene, traz moscas e sujeiras para as casas. Mesmo com a ave sendo vendida a um preço exorbitante, alguns paraenses ainda tentam manter a tradição para o almoço do 'Círio de Nazaré'.

Mas Carmem está irredutível, "Patúncio fica!" E ela ainda pretende trazer da fazenda uma companheira para ele. "Acho que ela vai ser a 'Patúncia'", completa a menina esperançosa de comover a mãe. #Culinária