Alguns motivos podem provocar o fim do #Casamento, como a infidelidade, falta de afinidade, discussões, cobranças, problemas financeiros e a desconfiança, tudo isso pode aparecer na vida do casal, tornando a separação algo que pode solucionar o desfecho da relação nada feliz. Porém, não é somente isso que pode levar o casal a pensar na separação. Estudos realizados pela Universidade de Oklahoma revelou um hábito que muitas pessoas carregam e que pode aumentar drasticamente as chances e um possível divórcio. O vicio em conteúdos pornográficos.

Será que isso pode atrapalhar a união?

Para que o estudo fosse realizado, mulheres e homens passaram por uma minuciosa entrevista a cada três anos em três acontecimentos diferentes, tudo isso com a intenção de descobrir os hábitos que envolvem a pornografia e o estado civil.

Publicidade
Publicidade

Com a pesquisa foi possível descobrir que as pessoas que iniciaram o costume de ver filmes pornográficos enquanto estavam casados, ficaram mais propensos a se divorciar do que os casais que não gostavam de assistir algo envolvendo esse tipo de conteúdo.

Os estudiosos analisaram que, no âmbito geral, o costume excessivo de se satisfazer com conteúdos pornográficos elevou as chances de divorcio entre os participantes. Eles também observaram que a idade também influenciaria nesse processo: quanto mais jovens eram os casais, as probabilidades eram ainda maiores, aumentando as chances da separação acontecer.

A pesquisa também mostrou que quando um parceiro introduzi o hábito de ver cenas de sexo em um casamento feliz, a relação pode acabar se desmanchando em aproximadamente dois anos, afetando algo que estava sendo bom para ambos.

Publicidade

Os estudiosos ressaltam que, o interesse em pornografia não necessariamente afeta a vida do casal e nem coloca o relacionamento em risco. A intenção do estudo é apenas explicar qual seria a ligação entre o aumento das taxas de separação e a pornografia, porém não indica que somente o costume seja a real razão para que aconteça a separação amorosa.  Se tudo for devidamente equilibrado e aceito pelo cônjuge, não existe risco da relação amorosa ser afetada.

  #Comportamento