O famoso escritor inglês William Shakeaspeare escreveu em certa ocasião de sua vida o seguinte: "Assim que nascemos, choramos por nos vermos neste imenso palco de loucos". Se é loucura ou não o que vem acontecendo nos últimos anos em algumas partes do mundo, não se sabe ao certo, mas fato é que o que poderia ser um personagem inofensivo no imaginário de crianças e adultos, não é bem isso que está representando.

Trata-se da figura do "palhaço". Sim, daquele palhaço que animava os circos e festas infantis de outrora, mas se for inserido esse substantivo em qualquer ferramenta de busca virtual, os termos associados a palhaços, atualmente, serão também: "macabros", “histeria", "horríveis", "aterrorizantes" e até "assassinos". 

O que vem acontecendo de fato em torno desse personagem mítico? Muitas pessoas em cidades dos Estados Unidos, Canadá, França e Grã-Bretanha, entre outros países, estão insistindo em se vestir de palhaços, a princípio com o único intuito de assustar os cidadãos comuns; entretanto, essa prática "inocente" tem gerado trabalho para a polícia.

Publicidade
Publicidade

Um exemplo aconteceu nos últimos dias, em Bardstown, Kentucky, quando um morador da localidade atirou para o alto com seu fuzil AR-15 após sua esposa tê-lo avisado de que haviam "palhaços horrorosos" caminhando pela rua, o que não era verdade, pois era tratava-se unicamente de uma mulher andando com seu cachorrinho de estimação. 

Enfim, está começando a se criar um #Comportamento de histeria coletiva quanto ao tema; nas redes sociais surgem vários vídeos de brigas e arruaças envolvendo as figuras de palhaços; nos EUA, os palhaços se disseminaram tanto nas grandes cidades como em pequenos vilarejos interioranos.

Inclusive, a Casa Branca, por meio de Josh Earnest, porta-voz do presidente Barack Obama, em uma coletiva com jornalistas, frisou que as autoridades estão mergulhadas neste momento em resolver esse que pode ser mais um sério problema de segurança pública. 

As roupas coloridas dos palhaços são contrabalançadas negativamente com as máscaras com aspectos demoníacos e, não se sabe o motivo ao certo, inúmeros indivíduos, exatamente trajados desse modo, foram avistados perambulando à noite pelas ruas, parques públicos, locais escuros e até cemitérios, pelo simples gosto de assustar os outros. 

Esse modismo, se é que pode ser chamado assim, teve início no final dos anos 80, ocasião em que alunos do Estado de Massachusetts falaram que um palhaço os convidou para entrarem com ele em um furgão. 

O professor de Psicologia da Universidade de Nottingham Trent, no Reino Unido, Mark Griffiths, ao estudar o assunto, relatou que os palhaços se tornam assustadores porque cultuam o comportamento maléfico do susto intencional, como é o caso do famoso personagem da televisão e cinema, o Coringa. 

Quanto tempo tudo isso vai durar, ninguém sabe; no entanto, as lendas urbanas dos palhaços ditos “assassinos" foram muito impulsionadas pela invenção da internet.

Publicidade

Por sua vez, o pesquisador Benjamin Radford, que tem se dedicado a inúmeros casos de manifestação de palhaços, de 2013 a 2016, não hesita em dizer que, nos próximos seis anos, outros “palhaços horrorosos” continuarão a surgir, mas ele também acredita que essa onda de terror deverá desvanecer um pouco depois que passar o Dia das Bruxas, no próximo dia 31 de outubro. #Crime #Casos de polícia