Possivelmente você já deve ter ouvido sobre Malcolm X, Martin Luther King, Rosa Parks e Angela Davis como símbolos da luta negra nos Estados Unidos. Essas pessoas foram e são referências para a construção de identidade de milhares de indivíduos pelo mundo afora. Mas, e as pessoas, ou melhor, as #mulheres que fizeram parte da luta dos negros no Brasil, você sabe quem são?

Neste mês da #consciência negra, conheça três mulheres negras que foram fundamentais em diversas lutas do nosso país.

Luíza Mahin

Luíza Mahin,foi uma das figuras mais importantes durante as revoltas e levantes de escravos durante o século XIX. Escrava livre, ela tornou sua casa um quartel general das revoltas negras que ocorreram na Bahia.

Publicidade
Publicidade

Infelizmente, não se sabe sua origem, e há quem diga que Lupiza tenha nascido em 1812, na própria Bahia. Seu filho, Luiz Gama, poeta e abolicionista, descrevia sua mãe como uma mulher africana livre, da nação nagô.

Devido à sua grande importância na luta de escravos, em 1985, o nome de Luíza Mahin foi dado para uma praça pública em São Paulo.

Auta de Souza

Poetisa brasileira, Auta de Souza teve seus textos publicados nos jornais A Gazetinha, de Recife, Oito de Setembro, de Natal, na Revista Rio Grande do Norte, O Paiz, do Rio de Janeiro e A Tribuna de Natal.

Em um período onde a literatura era predominantemente masculina e branca, Auta de Souza conseguiu que seus textos fossem lidos nas principais rodas literárias do país.

Auta de Souza morreu aos 24 anos em decorrência da tuberculose, no dia 7 de fevereiro de 1901, em Natal.

Publicidade

Lélia Gonzalez

Intelectual, professora, política e antropóloga, Lélia Gonzalez foi, sem dúvida, uma das figuras mais importantes para a #História do feminismo negro e do movimento negro no Brasil.

Para Lélia, era de extrema importância o diálogo entre mulheres negras e latinas, e a partir dessa visão ela concebeu um feminismo afro-latino, pautado pelo pan-africanismo, como luta da diáspora negra.

Lélia morreu em julho de 1994; em 2010, foi criado o Prêmio Lélia Gonzalez pelo governo da Bahia para estimular políticas públicas para mulheres em municípios baianos.