A imprensa esquerdista do mundo tomou um duro golpe. Passou a campanha toda se posicionando a favor de Hillary e "caiu do cavalo". Artistas, pesquisas, a mídia toda foi engolida pela vitória republicana. Os tempos realmente mudaram, o eleitor prova que ainda é conservador, mostra que já não é mais tão manipulável como a mídia pensa que é. Como escreveu o jornalista português Miguel Esteves Cardoso, “a eleição de Donald Trump foi um triunfo da democracia e uma derrota profunda dos meios de comunicação social”.

#Trump é conservador e radical em muitos aspectos, o que será um terror para a agenda da esquerda no mundo todo.

Publicidade
Publicidade

Na Casa Branca, terá maioria republicana na câmara e no senado, o que lhe dá mais poder ainda, pois esta maioria caminhará com ele no governo. Tudo mostra que Trump não será pacificador como Obama foi na relação com o Oriente Médio, aonde pulsam as principais guerras do mundo. Ele é cristão com coração judeu, e Israel terá grandes benefícios neste sentido.

Sinceramente ver um radical, segregacionista e com pensamentos denominados preconceituosos (como assim diz a esquerda) chegar ao poder de uma grande nação como a americana, tendo a seu dispor um poderoso arsenal bélico.... é chocante! Mas antes ele do que a degradação moral pretendida por Hillary, apoiando abortistas, homossexualistas e as tais minorias. A tônica do que vemos no Brasil nos dias de hoje! Parabéns à maioria cristã que votou em peso em Trump.

Publicidade

Muitos por aqui fazem campanha por Bolsonaro em 2018, diferentemente da mídia de esquerda que já faz de tudo para desconstruir a imagem dele. Será que a história se repete em terras tupiniquins? Na Rússia, Putin vai na mesma linha do radicalismo. O que me preocupa em tese é que a história nos mostra o quão terrível é quando pensamentos extremistas tomam o poder! Espero que alguns posicionamentos extremos de Trump fiquem só no discurso, pois o que vi foi puro marketing, principalmente na questão dos imigrantes. A economia da América precisa deles, nada vai mudar! #Crise econômica