O que você acha de ouvir mais de 50 xingamentos, sofrer ameaças e empurrões enquanto apenas caminha pelas ruas? Ao assistir o vídeo publicado por Dennis Cee, é possível vivenciar a dura realidade que homossexuais – ou pessoas identificadas como sendo homossexuais – vivem: a homofobia.

No experimento, Dennis Cee caminha por Manhattan (Estados Unidos) usando uma calça laranja, uma camiseta laranja justa e carrega uma sacola rosa listrada. Enquanto anda tranquilamente, ele é abordado por outros pedestres, que não poupam ofensas homofóbicas, se dirigindo a Cee como “faggot”, termo semelhante a “bicha” ou “veado”.

Em um dos momentos do vídeo, um homem chega a dar um esbarrão em Dennis, e ainda diz “qual o seu problema, cara?”.

Publicidade
Publicidade

Mas as agressões e ofensas não param por aí. De acordo com o autor do experimento, ao longo de três horas, ele sofreu 50 agressões verbais. “É devastador que isso seja o que os homossexuais tenham que aguentar, todos os dias de suas vidas”, concluiu.

Apesar de ter sido publicado originalmente no canal de Dennis Cee há cerca de dois anos, no dia 23 de novembro, a página Quebrando o Tabu publicou o mesmo vídeo com legendas em português. Em poucas horas, foram mais de 245 mil visualizações. Confira o vídeo.

Homofobia mata

Segundo estudo da organização não governamental Transgender Europe, o Brasil é líder no ranking mundial de assassinatos de LGBTs. Dados nacionais também assustam. Números divulgados pelo G.G.B. (Grupo Gay da Bahia) apontam que entre 2012 e 2015 foram registradas 1302 mortes cuja motivação foi homofobia.

Publicidade

A mesma entidade afirma que neste ano, 2016, foram 273 assassinatos da mesma espécie.

Dados da homofobia no Brasil

O número de agressões registradas também é assustador. Ao menos cinco LGBTs são agredidos diariamente no Brasil. Em 32% dos casos, a vítima não conhecia seu agressor, nesses casos em 53% das vezes, o agressor não é identificado. Em 36% das vezes, as agressões ocorreram dentro das casas das vítimas.

Os dados também mostram que a maioria das agressões são sofrida por gays, travestis e transexuais, com idades entre 15 e 30 anos. Além disso, a #Homofobia também tem uma face racista: 39,9% das vítimas se declaram pretos ou pardos. Os dados são de um estudo publicado em 2013, e considerou 1.965 denúncias relacionadas à população LGBT. #agressão #Violência