O Brasil realmente está mudando. E para pior! Apostamos que os problemas do país, que nos assolam por séculos pareciam estar sendo causados por apenas uma pessoa ou um partido. Pensamos que sem eles nos veríamos livres da corrupção, não teríamos mais de nos preocupar com as injustiças e automaticamente veríamos nossa economia crescer, os empregos brotarem e o bem-estar social vigorar em um mundo maravilhoso cheio de arco-íris e unicórnios!

Como fomos tão ingênuos? Aliás, quem nos fez acreditar em tudo isso? Por que nos deixamos nos enganar tão facilmente? A resposta é simples: somos analfabetos políticos, ignorantes sociais, inconscientes de classe e pouco conhecedores da nossa cultura e da nossa história.

Publicidade
Publicidade

É por isso que nos deixamos ser manobrados por alguns movimentos entre os quais se destaca o MBL. Esse movimento foi usado pelos peixes grandes do poder como motorista das massas. Milhões foram às ruas manifestar uma indignação que não era deles.

Parecia que, após o objetivo cumprido, [provocar clamor social pelo impeachment] o dito movimento iria pra geladeira, que seria esquecido para sempre. Porém, o novo governo, apoiado por este movimento [afinal não foram para as ruas pedir a saída desse também, não é mesmo?], enfrenta sérias dificuldades em virtude da sua impopularidade. Qualquer medida proposta pela atual gestão provoca descontentamentos e reações de desagrado. A mídia tenta ajudá-lo com um jornalismo que tenta passar a imagem de um país que melhorou, economistas em colunas de rádio mostram a habilidade no novo presidente em tentar consertar os desastrosos erros da antiga presidência e, agora, para tentar alavancar o apoio dos ignorantes, o governo acena com a possibilidade de acionar o principal manobrista das massas: o #MBL.

Publicidade

As #reformas, vistas por alguns economistas liberais como um "remédio amargo" para a crise, não são aceitas pela população. A reforma previdenciária, a reforma trabalhista e a recente reforma para o Ensino Médio se mostraram impopulares e um grande suicídio político para quem tem de assumi-las. Agora, cabe ao MBL, que magistralmente coordenou o movimento pelo impeachment junto às massas, enquanto o congresso arquitetava o golpe, convencer os ignorantes de que as reformas farão bem e que seremos um país melhor.

A pergunta que fica é a seguinte: será que morderemos o mesmo anzol duas vezes? Seremos novamente ingênuos e inocentes? Iremos mais uma vez às ruas por uma causa que não é nossa? Como diz o ditado: errar é humano, persistir no erro é burrice! #Temer