Perante nossa Constituição, a democracia permite que pessoas defendam o comunismo, o capitalismo, o anarquismo e outras ideologias, desde que isto não inclua ações criminosas. A política nacional é capitalista, mas mesmo sem usar o poder extremo do Estado no modelo comunista, muitos políticos usam o governo como máquina para causar a desordem nas mídias, para ofuscar e assim camuflar investigações policiais sobre seus nomes denunciados.

O atual presidente da nossa república federativa, eleito pelo voto democrático em 2014 como vice, cumpre o que a lei lhe obriga perante a destituição da ex-presidente que sofreu o chamado impeachment.

Publicidade
Publicidade

Mas, o colega de partido e presidente do Senado, com imunidade parlamentar, parece que finalmente tem seu nome na lista entre os denunciados e nas investigações. Usuário de um recurso jurídico chamado de "processos engavetados" pelo STF, é um nome muito comentado nas delações premiadas durante as investigações na Operação Lava a Jato.

Como resposta a estas denúncias e quando seu recurso jurídico de "processos engavetados" contra sua pessoa não funciona, nada melhor do que chamar seu parente, o governador alagoano. Mais uma vez sem qualquer ideologia, lógica ou ética, como relatado pelo jornal "O Nortão", sua família é destaque declarado de procedimento denunciado que o governador de Alagoas Renan Filho "bancou" militância "Fora Temer" em São Paulo, à centenas de quilômetros de sua praça política.

Publicidade

Então, este é o exemplo que enquanto políticos financiam uma couraça deles perante a lei, esta mesma couraça 3.0, onde há a interação direta entre políticos e eleitores, independentemente se são seus eleitores ou de outros comparsas, a evolução nesta democracia brasileira mostra mais uma real participação do povo além de vítima nas promessas falsas de campanha eleitoral.

Como emissoras fazem questão de mostrar os protestos como se não existisse qualquer realidade e intenções concretas além de suas #imagens, então nada melhor que o povo eleitor denunciar os crimes dos políticos por imagens, ao invés de invadir o Congresso Nacional.

Certamente, a inexperiência de algumas pessoas pode resultar em erros, mas somente com a experiência de nos expressarmos e deixarmos nossa revolta contra a corrupção em imagens registradas que faremos nossas exigências democraticamente.

Este recurso da comunicação, tão bem utilizado a criar notícias por vezes ganhadoras de prêmios internacionais de uma ou outra emissora, é também um recurso sobre o qual podemos exercer nosso papel democrático e filtrarmos informações falsas e distorcidas. #criminosos #Calheiros