O segundo jogo da decisão da ##Copa do Brasil será jogado em campo neutro graças a uma punição imposta ao Grêmio pelo #STJD. O time gaúcho perdeu o mando de campo na final devido à "invasão" de campo de #Carol Portallupi, filha do técnico Renato Gaúcho, após a partida. Ela entrou no gramado para comemorar a classificação do time com o pai.

Se já não bastasse o fato do #STJD interferir diretamente numa decisão do campeonato, outra vez, o que já é ruim por si só, o motivo é para lá de inusitado, para não falar outra coisa. Afinal, ela não entrou no campo para fazer algo de errado e muito menos para reclamar com a arbitragem.

Publicidade
Publicidade

Cometeu o "absurdo" de abraçar o pai e filmar a festa da classificação.

O motivo alegado é que se ela "invadiu" o campo, poderia ter sido algum cartola ou dirigente enfurecido com alguma coisa referente à partida. Faltou ao clube uma segurança ao gramado? Ok. Faltou. Ela não deveria estar ali, porém, que mal ela fez ao jogo e aos árbitros? Nenhum.

O que piora ainda mais a decisão do STJD, que demorou para aparecer com seu protagonismo esse ano, é que a lei prevê "multa de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 100.000,00 (cem mil reais)" e não perda de mando. Carol não gerou nenhuma desordem nem tumulto, que seria motivo pra perda de mando.

E mesmo que a atitude dela previsse perda de mando, falta ao tribunal desportivo uma coisa muito importante a qualquer ser humano e ao bom convívio em sociedade: o bom senso.

Publicidade

Mesmo rivais na decisão da Copa do Brasil, torcedores de Grêmio e Atlético-MG se uniram nas críticas à decisão tomada pelo STJD. Parabéns ao tribunal. Conseguiu uma façanha: unir adversários de uma final nacional em prol de um objetivo comum.

A medida pode interferir numa decisão nacional por um motivo para lá de bobo. O que seria lamentável. Pode interferir porque o Grêmio promete recorrer. Acredita-se até que vá conseguir reverter a decisão devido à repercussão negativa do caso.

Outro motivo que a acreditar-se na eficiência do recurso gremista é que o STJD já conseguiu o que queria: chamar a atenção e que todos falassem dele num momento importante de um campeonato.

Agora eles já podem deixar que os protagonistas sejam quem devam ser: os times e os torcedores em seus devidos estádios. #carol portaluppi