Ah, o Ninão! Ou Nininho, Neno ou Nenenho, dependendo da ocasião. Ninão era o tipo de cachorro de muitos nomes, caras e fantasias. O cachorro, que alegrava uma legião de seguidores na internet, fez história e, por que não dizer, que bateu recordes: ganhou reportagem especial no Câmera Record, canal oficial no YouTube, recebeu a desejada placa de 100 mil inscritos, quase 700 mil seguidores no Facebook, loja oficial e caixa postal para o recebimento de presentes.

A notícia da morte do cão acabou viralizando na internet e até na TV, onde milhares de pessoas compartilharam e lamentaram o ocorrido. Após Rodrigo, o dono do cachorro, publicar na internet a triste notícia, mais de 73 mil pessoas deixaram comentários manifestando apoio ao paranaense, bem como a publicação foi compartilhada quase 80 mil vezes e mais de meio milhão de pessoas reagiram ao post.

Publicidade
Publicidade

Ninão, adotado em 2007, estava doente há dois meses e não resistiu ao seu problema de saúde nessa semana. A repercussão mostrou o quanto um animal pode mudar o astral das pessoas e se tornar especial na vida humana.

Veja a publicação:

É, Ninão não era só um cachorro. Ninão era mais que isso! Com uma simplicidade e alegria que somente os cachorros conseguem ter, Neno conseguiu colocar um sorriso no rosto de muita gente que andava triste ou revoltada com a vida.

Essa alegria, inclusive, foi inserida na vida do dono de Ninão, que confessou em seu desabafo, no momento que comunicou que Ninão foi brincar no céu dos cachorros, que nem sempre estava alegre, afinal, nem tudo é um mar de rosas nessa vida, mas Ninão era o responsável por dar aquela luz branca no fim do túnel ou simplesmente, dar forças para seguir em frente.

Publicidade

Perder um amigo não é fácil. O que dizer de um amigo que é uma celebridade e que é o responsável pela bruxa Hannibal mais trevosa da internet ou que subtrai lanchinhos da tarde e se recusa a pagar a pensão dos filhos para a dona Nina, repercutindo até no exterior.

Ninão deixa saudade, como todo cão ou gato que alguém permite ser adotado. Sim ser adotado. Quando um animal é adotado, na verdade, é ele quem adota o dono, mas nem todo mundo consegue perceber isso. Um cão consegue quebrantar até os mais duro dos corações, além de serem remédios de quatro patas contra depressão, aquela fossa miserável pós-fim de relacionamento e até aquela raiva de alguém muito chato.

Talvez, os #Cães vivam pouco porque já nascem sabendo amar, serem fiéis e não desistem jamais. Por outro lado, os seres humanos passam a vida toda dando voltas para se encontrar e quase sempre julgam os outros, como se isso fosse preencher aquele vazio incurável. Os cães não julgam, eles aceitam e pronto.

O que fica do Ninão e de todos os cachorros incríveis desse mundo é que eles se vão fisicamente, mas deixam um pouco deles em cada pessoa que foi tocada por sua existência.

Publicidade

Se essas pessoas puderem absorver esse poder e serem pessoas cada vez melhores, graças a lição ensinada pelo seu amigo de quatro patas (ou três, ou duas), então o céu dos cachorros viverá em constante festa, pois valeu a pena estar aqui.

Certamente, o que todas as mais de quinhentas mil pessoas que leram aquele desabafo emocionado na página do Ninão queriam dizer é que a família Ninônica não acabou, apesar do luto que insistiu em chegar sem ser convidado e que quer ficar ali, incomodando.

Nesse momento, a ‘doçura’ da Feta, o Livinho Bracho, o Mini Nino e a dona Nininha estão sentindo a falta do Ninão, mas ao mesmo tempo estão dispostos a consolarem o coração de Rodrigo, sua esposa e de toda essa família Ninônica que se espalhou pelo Brasil. Ele cumpriu sua missão: ensinou a amar e foi amado.

Ao Ninão, um grande obrigado, pois esse cara fez o dia de muita gente mais feliz. O céu deve estar em uma festa danada com ele fazendo todo mundo sorrir! #Animais #É Manchete!