A violência contra a mulher no Brasil continua em ritmo frenético, todos os dias e em todas as regiões do país. E acontece até mesmo com as #mulheres da área da segurança. No último sábado, 17 de novembro, em Três Corações, Minas Gerais, um homem agrediu a segurança de um #clube, Edvânia Nayara Ferreira Resende, de 23 anos. O vídeo já está circulando no Youtube e no Facebook, e está causando indignação nas pessoas.

Apesar da revolta com a atitude pra lá de covarde, os diversos homens que presenciaram o fato não partiram para cima do agressor, que, após um soco violento no rosto da segurança, continuou impiedosamente agredindo com chutes, mesmo quando ela já estava no chão e sem condições de se defender.

Publicidade
Publicidade

A violência contra a mulher no Brasil

O que mais causou surpresa é que o agressor é marido de uma delegada, a mesma que ele coagiu a entrar no carro. Segundo foi informado pela segurança Nayara, ele a agredia no interior do veículo e até mesmo no clube ele já havia puxado os cabelos dela a fim de tirá-la do local. A vítima, então, teria jogado a chave do carro para a segurança. O homem ficou furioso e, após uma rápida discussão, pois ela se negou a entregar a chave, ele a agrediu covardemente e sem piedade.

O agressor atende pelo nome de Luiz Felipe Neder Silva. Ele já foi preso em 2007 por latrocínio (roubo seguido de morte).

Certamente, as mulheres são as maiores vítimas de #Violência. A lei Maria da Penha ainda não está surtindo o efeito esperado. Entretanto, as próprias mulheres devem e precisam colaborar incansavelmente para que os agressores sejam punidos.

Publicidade

Outro detalhe relevante: saber escolher os relacionamentos, seja eles amorosos ou não. Afinal, como é que uma delegada, uma pessoa que é paga para combater a violência, se envolve com um sujeito truculento, covarde e homicida. Que o fato ocorrido leve às pessoas a uma reflexão. Toda e qualquer forma de violência deve ser combatida com rigor. Autoridades e a sociedade precisam andar de mãos juntas para que este mal seja extirpado.

No entanto, há de se percorrer ainda uma longa estrada. As mulheres devem ser amadas e respeitadas, pois é um direito delas e de qualquer cidadão.