No dia 23 de fevereiro de 2015, grupos radicais islâmicos atacaram 35 povoados, ao mesmo tempo. Levaram centenas de pessoas como reféns. Algumas semanas após o triste fato ocorrido, o bispo Mar Afram Athneil começou uma negociação secreta com os extremistas. Ao todo, o processo de negociação para que chegassem a um acordo, durou cerca de um ano. No total, haviam 226 cristãos feitos de refém pelos radicais extremistas. O bispo logo começou a reunir dinheiro para que a negociação pudesse ser feita. Muitos fiéis apoiaram a causa e resolveram ajudar.

Os sequestros contra cristãos começaram desde que os radicais começaram a conquistar territórios no Iraque.

Publicidade
Publicidade

E apesar das suas atrocidades cometidas contra inocentes, os governos se negam a negociar com terroristas. Sabe-se que escolher dar dinheiro a eles, só irá fazer o grupo se fortalecer. É um grande debate moral, pois de um lado há vidas de inocentes em risco, do outro, o fortalecimento do grupo extremista.

Um dos cristãos que foram capturados, relatou que todos os dias achava que iria ser assassinado, já que as ameaças eram constantes. Abdo Marza foi liberado para ir até uma cidade próxima de Hassakah, cerca de 60 km de distância e levar uma mensagem que dizia o valor que seria cobrado por cada refém.

A exigência tinha se tornado muito alta. Os radicais pediam cerca de 50 mil dólares por cabeça o que resultaria em 11 milhões de dólares. Era um valor muito alto e assustou o bispo. Porém, a vontade de salvar vidas e seguir o caminho de Deus era maior que as dificuldades.

Publicidade

Mar Afram Athneil logo contatou pessoas que ajudaram a divulgar a campanha o que fez com que os pedidos de doações se espalhassem cada vez mais, pela internet.

Na Alemanha, um grande empresário conseguiu ajuda do governo para trazer os refugiados de uma das comunidades começou a arrecadar fundo para que os demais tivessem a oportunidade de recomeçar suas vidas. Toda essa história trata-se de um grande exemplo de batalha e solidariedade que ainda existe entre os povos. #Terrorismo #Religião #Estado Islâmico