Assim como Hebe Camargo se tornou um símbolo e destaque entre as apresentadoras da televisão brasileira, o mesmo pode se dizer de José Eugênio Soares entre os apresentadores homens. Sendo conhecido do grande público apenas como Jô Soares, ele era um dos apresentadores mais idosos do Brasil. Extremamente talentoso e com um extenso curriculum. Quando se fala de televisão brasileira, é praticamente impossível não se lembrar de seus programas de humor e de diversas outras participações na ‘telinha’. Pode se dizer que Jô Soares é um artista completo. Além de ator, humorista, músico, pintor e dramaturgo, já escreveu diversos livros e é diretor de peças teatrais.

Publicidade
Publicidade

Entre os programas de comédia, é impossível se esquecer do Viva o Gordo, programa que estreou em 1981, na Rede Globo, e durou até 1987.

A despedida e os agradecimentos

No parágrafo anterior, o verbo ‘ser’ foi usado no ‘pretérito’, pois já não é mais apresentador do “Programa do Jô”, da Rede Globo. Isso mesmo, o longo ‘casamento’ se encerrou na sexta-feira, 16 de dezembro de 2016. Como sempre, usando de pitadas de bom humor, ele abriu o programa, elegantemente vestido de terno branco, dizendo que estava estreando. Fez uma graça envolvendo o SBT, algo que pode ser subentendido como um possível retorno. Na plateia, foi perceptível a #emoção enquanto ele fazia os agradecimentos. Mencionou parte das muitas entrevistas ao longo de 16 anos. E para ser entrevistado, convidou o amigo e cartunista Ziraldo.

Publicidade

Aliás, pela 24ª vez. E até ficou surpreso quando fora avisado de que seria o entrevistado do encerramento do programa. Nos 16 anos que esteve no ar, Jô entrevistou 14. 426 pessoas. Uma frase, que emocionou a plateia presente, foi dita por ele assim: “Por que eu quero sempre ter uma plateia na minha frente? Por que sem plateia eu não existo”, concluiu.

Com a saída dele, fica uma lacuna e uma pergunta: quem o substituirá? E será se foi algo inteligente da Rede Globo se desfazer de um talento do porte de Jô Soares? Evidentemente, ninguém é insubstituível. Mas, com a escassez e a mediocridade da programação atual da televisão brasileira, pode não ter sido uma decisão correta. Há também o agravante da acirrada disputa de audiência. Recentemente, ele deixou subentendido que não pretende parar suas atividades na televisão. Fica, então, o ponto de interrogação: quem o contratará? #jô soares, #despedida