Além da vitória de Donald Trump, as eleições americanas deixaram claro a reafirmação da estratégia política que já foi usada em muitas outras eras no #Mundo e que vem ganhado mais espaço, principalmente em países da Europa: o Populismo.

Um claro exemplo desse fenômeno nos dias de hoje são os chamados populistas italianos do Movimento Cinco Estrelas (M5E). Estes já fazem uso dessa estratégia desde 2007, mas somente nos últimos meses é que ganharam um espaço mais notório e uma força maior.

A Universidade de Harvard lançou recentemente um estudo sobre o ponto. Intitulado de “Trump, Brexit and the rise of populism”, ele apresenta os motivos que fizeram com que Trump se tornasse o principal nome (ou o mais notório) desse movimento nos dias de hoje.

Publicidade
Publicidade

A atuação do candidato republicano foi concentrada em grande parte nos anseios da sociedade, associado com um discurso do crescimento econômico e da retomada dos empregos populares.

A pesquisa da universidade aponta ainda que desde o ano de 2010 os votos nos partidos populistas na Europa, em uma comparação com aqueles obtidos pela direita, conseguiram crescer cerca de 10%. Como exemplo neste ponto, podemos citar a Hungria. Por lá, o candidato Viktor Orban (conservador) conseguiu derrotar o partido socialista (2010).

O fato curioso é que até mesmo nos locais onde o populismo não achava espaço para promover seu crescimento, ele tem modificado o cenário. A França é um claro exemplo desse “crescimento”. A candidata da extrema direita, Marine Le Pen, tem crescido nas intenções de votos para as eleições do ano que vem.

Publicidade

Nos próximos anos, teremos uma série de países que contam com figuras conservadoras nas eleições presidenciais.

Em 2017, como apontamos, será a vez da França. A candidata da Frente Nacional de extrema-direita tentará a eleição para a presidência. Já em 2018, temos a Hungria. O candidato é Gabor Vona, integrante do partido Jobbik, também de extrema direita, que tentará a vitória sobre o partido conservador de Orban.

É bem provável que o mundo veja uma onda de tendência nacionalista que inspira uma observação cuidadosa. É bom lembrar dos governos totalitários que chegaram ao poder depois de terem ganhado os holofotes como nacionalistas. É bom tomar cuidado para que os discursos de ódio não aumentem ainda mais. #Política