Parece um assunto passado, mas não é. O preconceito linguístico ainda é muito presente na sociedade, que, paradoxalmente, em sua maioria, desconhece a norma padrão da língua portuguesa.

Das filas de bancos ao futebol de fim de semana, é comum o uso do coloquialismo - linguagem informal, sem o uso da gramática normativa - e todos se entendem muito bem. No entanto, sempre aparece alguém, que por conhecer razoavelmente a gramática, gosta de corrigir o outro, e sem saber, usa a língua como instrumento de dominação.

O professor do Departamento de Línguas EstrangeiraS e Tradução da UnB (Universidade de Brasília), Marcos Bagno, vê como opressão das elites em relação às classes mais baixas o uso da língua, pois por não aceitarem as variações (regionais, culturais, etc), rejeitam o próprio ser humano.

Publicidade
Publicidade

Camões rege a fala do Brasil

Segundo Bagno, o português falado no Brasil é fruto da importação colonialista, e o português que ficou definido como o correto foi mesmo o dos escritos literários, que teve em Luís Vaz de #camões, poeta português do século XVI e autor do clássico "Os Lusíadas", seu grande desenvolvimento do que é o português moderno de hoje.

O Brasil e sua multiculturalidade

Com proporções continentais, o território brasileiro é recheado de culturas diferentes, do índio ao africano passando pelo europeu, e essa gama de culturas atinge em cheio a linguagem. Sotaques e ritmos distintos na fala muita das vezes fogem às regras normativas da gramática, o que é inaceitável para uma minoria de eruditos e cultos.

Todavia, as artes como a música, o cinema e as telenovelas, por exemplo, valem-se dessa riqueza #linguística para a montagem de personagens, com o cuidado de não parecerem simples estereótipos.

Publicidade

Querer que um típico paulista ou nordestino ou carioca fale o português de Portugal é, no mínimo, uma ditadura da língua.

Invasão do inglês

Por conta das transformações no mundo e a supremacia industrial dos Estados Unidos, muito países se renderam à cultura norte-americana, e o Brasil não ficou de fora. Desde as marcas de roupa ao linguajar, o estrangeirismo yankee invadiu as terras tupiniquins. Quem nunca passou por um drive thru? Ou já fez um check-in? Ou simplesmente já foi a um shopping? #inglês